8:18Míni, míni… míni?

por Bernardo Mello Franco

Na primeira entrevista como presidente efetivo, no lobby de um hotel de Hangzhou, Michel Temer foi questionado sobre as manifestações que começavam a pipocar contra seu governo. “As 40 pessoas que quebram carro?”, ele desdenhou.

Refestelado numa confortável poltrona de couro, o presidente classificou os protestos como “inexpressivos”. “Foram grupos pequenos e depredadores, né? Não foi uma manifestação democrática”, menosprezou. “São 40, 50, 100 pessoas, nada mais do que isso. No conjunto de 204 milhões de brasileiros, acho que isso é inexpressivo”, disse.

Os repórteres enviados à China repetiram a pergunta a José Serra. “Manifestações aonde?”, debochou o ministro. Ao ser lembrado de que o governo começava a ser alvo de protestos em várias cidades brasileiras, ele voltou a esnobar os atos. “Míni, míni, míni, míni, míni, míni”, disse.

Ao jornal “El País”, Serra arriscou uma conta parecida com a do chefe. “São muito pequenas, quase nada. Cinquenta, cem pessoas”.

No dia seguinte às declarações, cerca de 100 mil pessoas marcharam em São Paulo contra o governo. Assessores de Temer reconheceram que ele errou ao depreciar os protestos. Para eles, o presidente passou imagem de soberba e ajudou a inflamar quem estava insatisfeito.

Subestimar a rua não é uma boa tática para governantes impopulares. Em 1992, Fernando Collor chamou a oposição de “minoria que atrapalha” e instou o povo a se vestir de verde e amarelo para defendê-lo. Uma multidão preferiu sair de preto, com os resultados conhecidos.

Nesta quarta (7), Temer foi alvo de vaias e gritos de “Fora” no desfile militar em Brasília. Protegidos por um forte esquema de segurança, seus ministros voltaram a zombar dos manifestantes. “Que protesto? Quinze pessoas?”, perguntou Geddel Vieira Lima. “Não havia mais de 18″, provocou Eliseu Padilha. À noite, o presidente ouviria outra vaia no Maracanã. E não foi míni.

*Publicado na Folha de S.Paulo

Uma ideia sobre “Míni, míni… míni?

  1. jose

    Só uma pergunta: porque os imbecis que saem por aí vandalizando não entram com um pedido de impeachment do temer?
    Todos berram “fora temer”, mas de prático só estão causando mais prejuízos a quem trabalha e nada tem a ver com este bando ou com o outro.
    Só para lembrar:
    - quando quebram uma agencia bancária este usto vai para os clientes, não par ao banco.
    - quando bloqueiam e depredam uma praça de pedágio, este custo vai para a tarifa.
    - quando incendeiam um ônibus, este custo vai para a tarifa.
    - quando picham bens públicos, este custo vai para o governo que não gera dinheiro e usa o dinheiro de nossos impostos para limpar a sujeira.
    E os imbecis que os apoiam se acham inteligentes….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>