15:02Maduro ama a Odebrecht, que ama e é amada pelo PT

por Clóvis Rossi

Há um elo entre o PT e a ditadura venezuelana que vai além da cumplicidade com a violência, o desrespeito aos direitos humanos e o imenso fracasso administrativo: é a Odebrecht.

Todo o mundo sabe, no Brasil, que o PT, enquanto esteve no governo, desenvolveu uma relação de promiscuidade com a construtora, conforme confessaram executivos da empresa, inclusive seu principal líder, Marcelo Odebrecht. Promiscuidade que se estendeu a outras empreiteiras, mas ficamos por hoje na Odebrecht.

Agora, na Venezuela, a procuradora-geral Luisa Ortega Díaz, nomeada por Hugo Chávez e ilegalmente afastada pela fraudulenta Assembleia Constituinte, acaba de contar ao jornal espanhol “El País” qual foi a razão verdadeira da perseguição que passou a sofrer: é exatamente a Odebrecht.

Segundo ela, agora exilada na Colômbia, a Procuradoria tinha “todos os detalhes de toda a cooperação [entre a empresa brasileira e autoridades venezuelanas], as quantias e personagens que enriqueceram”. Completou: “Essa investigação envolve Maduro [o ditador Nicolás Maduro] e o seu entorno.”

Está explicado, portanto, o silêncio que envolve, na Venezuela, as escandalosas operações da Odebrecht, ao contrário do que ocorre nos vários países latino-americanos em que se detectaram as digitais da companhia.

No Peru, por exemplo, há dois ex-presidentes acusados (Ollanta Humala e Alejandro Toledo), para não mencionar o caso de Lula, já condenado no Brasil e pendente de uma decisão de segunda instância.

Segundo as investigações em curso no Brasil, a Odebrecht teria pago o equivalente a US$ 98 milhões (R$ 308 milhões) em subornos na Venezuela, no período que vai de 2006 até 2015 –dinheiro que, agora, a procuradora ilegalmente afastada diz ter enriquecido o entorno do ditador Maduro.

A Odebrecht tem 11 projetos em execução na Venezuela.

O patriarca da empresa, Emílio Odebrecht, na delação premiada que fez à Lava Jato, disse ter procurado o então presidente Lula para reclamar de um suposto favorecimento de altos funcionários brasileiros à Andrade Gutierrez em concorrências da Venezuela.

Lula, segundo Emílio, ficou de “verificar o que estava acontecendo”. Depois, sempre segundo o patriarca da Odebrecht, sua companhia acabou ficando com uma das obras.

O ex-presidente, aliás, nunca escondeu que atuava em favor de empresas brasileiras em muitas de suas viagens ao exterior. Não via nenhum problema; até achava que era sua obrigação.

Se se considerar que o relacionamento com Hugo Chávez sempre foi excelente, é razoável supor que a Odebrecht tenha se beneficiado dessa atuação na Venezuela.

Agora, com a denúncia de Luisa Ortega Díaz e a consolidação da ditadura na Venezuela, fica difícil apurar não apenas a corrupção interna mas também o eventual envolvimento dos amigos brasileiros da empreiteira.

*Publicado na Folha de S.Paulo

Uma ideia sobre “Maduro ama a Odebrecht, que ama e é amada pelo PT

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>