HORÓSCOPO

por Zé da Silva

Como se fosse depois de dias e dias depois do naufrágio. E este que veio anunciado depois de anos em meio à tormenta. Um raio de sol às vezes furava o negrume das nuvens em movimento. A água que entrava na boca não era salgada, era salobra. E a luz parecia a cena onde Derzu Uzala corre para fazer a cabana para se proteger da tempestade. Ele não morreu. Nem eu. O barco afundou, fui ao fundo do mar, vi e ouvi sereias, baleias, golfinhos, tubarões não me quiseram. Então, acordei na areia – e era dourada. Fiquei descansando. Quantos dias? Quantos meses? O que importa? Olhei o céu e pela primeira vez vi que era a azul e que as nuvens eram brancas e tinham formas e mais formas. Água fria e doce mataram minha sede e refrescaram meu corpo. Havia sombra, brisa, montanha, mata, pássaros, frutas. Em pouco tempo me senti vivo e com vontade de vida. Então vi a porta ali adiante. Abri. Os meus estavam ali. Os que foram, os que estão, os que amo, os que me amam. Não fechei a porta atrás de mim. Para olhar sempre e recordar. O naufrágio. E antes do naufrágio. Para saber que é possível atravessar a porta. E dar valor ao que é o normal, o real e o que vale.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>