6:49Essa mania que muito nos custou

por Roberto Prado

Nós, os latinos, temos muitas virtudes, isso é inegável. Em compensação, sofremos de um apagão mental, uma personificação do atraso capaz de eclipsar todos os nossos aspectos bacanas: acreditamos em salvadores da pátria.

Porém, como salvadores da pátria não existem, costumam aparecer dois tipos para assumir esse papel vacante: os vigaristas e os fanáticos – muitas vezes unidos na mesma pessoa. Em torno dessas figuras lamentáveis se reúnem os aproveitadores, os inimigos da razão, os profissionais do fracasso, os monstros morais e outras espécies de perturbados, dando força para o pior lado dos seus chefes.

O atraso de vida, então, é consequência. Além de não terem a mínima ideia de como equacionar os problemas reais ou tocar o dia a dia de modo minimamente aceitável, os salvadores da pátria não entregam as ilusões que prometem. Não por não quererem. Mas porque não podem, porque é impossível, porque não funciona, porque é doideira da cabeça deles. Ainda bem. Se tivessem a miraculosa capacidade de cumprir as promessas, seria ainda pior.

Aí então, temendo a cobrança, elegem inimigos externos, soltam os fantasmas para acalmar a claque, revelando o outro dogma do sangue latino: a sagrada culpa dos outros. E a claque, cheia de fé, louca para acreditar, aplaude, agarra-se às palavras de ordem e passa a rosnar para os supostos adversários. Os salvadores da pátria da oposição, aproveitando a oportunidade, lutam para assumir, gostosamente, o papel de algoz, criado pelo salvador da pátria do governo.

Governado por seres irracionais, o que faz o povo? Vai trabalhar, como sempre, porque é maluco, mas não vagabundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>