8:14Espuma adocicada

por Yuri Vasconcelos Silva

Estava ele nu com dezenas de fios finos e fortes em água esquentando seu rosto. Olhos fechados, cabeça empinada para o alto. Turbilhão em redemoinhos no canal auditivo fazia ele ouvir mais o interior que todo o resto. O som do ar deslizando em pulmões, da jugular bombeando, da saliva descendo engolida. A paranóia costumeira surge. A regra de, estando vulnerável e despido, jamais fechar os olhos para um possível ataque neste box branco. Então arregala a visão e o que acha? Um pernilongo pousado sobre uma sobra de sabonete. Ele aproxima o olhar no inseto e descobre um mundo. O bichinho está sugando o que poderia ser a doce seiva do sabão de macadâmia. Ele fica um bom tempo a observar aquela estrutura tão frágil se encher de espuma adocicada. Há felicidade nas menores criaturas? Ali sim.
Que coisa fantástica é a felicidade e o sofrimento. Basta ser vivo para estar no céu ou no inferno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>