7:29É difícil saber quando Lula e Léo Pinheiro dizem a verdade

por Elio Gaspari

Até o dia em que o juiz Sergio Moro vier a encerrar o julgamento de Lula, quatro palavras dividirão opiniões. Disse? Não disse? Nessa queda de braço com seu ex-amigo Léo Pinheiro, ex-presidente da empreiteira OAS, Lula joga sua liberdade. O prestativo mandarim acompanhou uma visita do casal Silva ao apartamento do edifício Solaris, no Guarujá. Segundo ele, em “abril ou maio” de 2014 Lula disse-lhe que destruísse quaisquer anotações relacionadas com suas transações com o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. Lula nega e não há testemunha dessa conversa.

Lula também nega que seja o proprietário do apartamento, cuja reforma acompanhou. Até bem pouco tempo, Léo Pinheiro negava que a OAS distribuísse capilés e operasse políticos pelo caixa dois. É difícil saber quando qualquer um dos dois diz a verdade.

Passaram-se três anos e a ordem dos fatos embaralhou-se na memória de quem é obrigado a cuidar da própria vida. Tomando-se “abril ou maio” como referência, percebe-se que estranhas coisas estavam acontecendo e poderiam justificar a recomendação. No dia 17 de março a Polícia Federal prendera o operador Alberto Youssef. No dia 20, caiu Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras. Dias depois, Nestor Cerveró, outro ex-diretor, foi para a Europa, em férias. A Polícia Federal e o Ministério Público poderão levantar detalhes que ajudem a esclarecer o mistério das quatro palavras. (O da serventia do apartamento nunca foi um enigma respeitável.)

Em seu escritório, o advogado Márcio Thomaz Bastos prenunciava uma tempestade. Em 2011, ele conseguira uma vitória espetacular das empreiteiras sobre a Polícia Federal e o Ministério Público, anulando a Operação Castelo de Areia no Superior Tribunal de Justiça.

A tempestade chegou em junho, quando um procurador suíço bloqueou US$ 23 milhões depositados por Paulo Roberto Costa. Ele havia sido libertado e um juiz pouco conhecido mandou prendê-lo de novo. Era Sergio Moro. Percebia-se que se estabelecera uma colaboração entre Curitiba e Genebra. Se essa colaboração vazou em “abril ou maio”, não se sabe. Sabe-se, porém que Lula chamou Léo Pinheiro ao seu Instituto. Estava “preocupado” e fez uma pergunta “muito objetiva, muito clara”: “Se a OAS tinha feito algum pagamento no exterior para João Vaccari”. Depois, tratando de eventuais anotações contábeis de Léo Pinheiro com o PT, disse-lhe: “Se tiver, você destrua”.

Abre-se uma questão. É provável que Pinheiro e a OAS tivessem anotações. Se elas existiram, seria razoável que fossem destruídas ou, pelo menos, transferidas para um lugar seguro.

Marcelo Odebrecht só mandou “higienizar” os apetrechos” de suas “operações estruturadas” em novembro de 2014, quando diretores da empreiteira foram presos. Essa circunstância mostra a extensão da onipotência dos mandarins das empreiteiras. Apesar disso, o caso de Léo Pinheiro é diferente. Ele recebeu a recomendação de Lula, um ex-presidente da República, padrinho da titular do cargo e comissário-chefe do PT.

A defesa de Lula sustenta que Léo Pinheiro inventou essa história para salvar a própria pele. Se ele mostrar quais provas destruiu, como e quando, fortalece sua denúncia.

*Publicado na Folha de S.Paulo

2 ideias sobre “É difícil saber quando Lula e Léo Pinheiro dizem a verdade

  1. joao marcos

    As comissões de éticas dos partidos deixaram de ser ética ou não tem razão de ser entre a ética e o partido, visto que se aplicarem a ética os partidos perdem a existência e se expulsar o que sobrará, todos são pecadores. O conceito de ética para na interpretação dos políticos é igual a boi de piranha. Sacrificam os mais fracos e o resto são blindado. O que realmente vale no enredo é enganar o povo, vender a imagine de purificado, de messias, santo. Quando existirá santo no inferno? São grupos que cravam suas ventosas no bolso da sociedade e sugam a seiva, perderam a descência o respeito, simplesmente o paletó e a gravada lhes dão aparência de honesto. Querem apoderar das leis para protegê los, enfim o que será do BRASIL com os políticos e as organizações infiltradas nos poderes.

  2. Zé Mané

    kkkk a conversa destes dois até parece conversa de pescadores, ninguém sabe quem mente mais ou se um dia disseram a verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>