10:51Dúvidas

por Fernando Muniz 

Pelo que as imagens da tomografia mostram, esse corpo sólido no seu peito pode ser várias coisas. Lipoma, timoma ou, mesmo, linfoma”. O paciente se assusta com os termos. “Qual deles é melhor, doutor?”.

“Ah, não dá para saber sem biópsia. Existem vários tipos de linfoma, benignos e malignos e mesmo os timomas podem ser de um ou outro tipo”. Examina novamente o raio-x, as imagens da tomografia e pensa em voz alta: “Até se for um quadro de lipoma precisaremos investigar com cuidado, não sendo aconselhável descartar qualquer hipótese”.

O paciente se agita. “Pode falar sem rodeios, doutor. É câncer? Câncer é sempre maligno, certo doutor?”. O médico mira o paciente por sobre as lentes dos óculos: “Não necessariamente. Por sinal, essa palavra é muito polêmica”.

“Mas não é melhor tirar de uma vez esse troço? Não é mais rápido e mais seguro?”. O médico, que já esperava pela pergunta, afirma convicto: “A cirurgia pode não ser aconselhada no seu caso. Primeiro eu preciso de exames de sangue e um eletrocardiograma, para sabermos se você pode passar por um procedimento cirúrgico”. Apanha o bloco de requisições. “Qual é o seu plano de saúde?”.

“E se eu não puder?”.

“Como assim? O senhor precisa ver a cobertura do seu plano, urgente. Serão vários exames e alguns procedimentos”.

“Não, não, doutor. E se eu não puder fazer os procedimentos?”

O médico apanha outra resposta pronta: “Aí precisaremos de novos exames, para sabermos qual tratamento é o mais aconselhado diante do seu quadro clínico. E se poderemos, ou não, contar com a quimioterapia”.

Termina de preencher as requisições. “É bom o senhor se informar com o seu plano de saúde a respeito das coberturas. Faça isso logo. Poderemos ter um longo caminho a seguir”.

“Longo?!” Sua voz é resignada. Sente o dia cair por trás das costas, como se a vida estivesse de saída e, com ela, fossem junto o tempo e o espaço. Lê as requisições e começa a tremer, derrotado por aquelas palavras gregas e latinas que invadiram no seu destino a partir de um mal-estar banal. O médico se impacienta e faz sinal que a consulta terminou.

“O caminho é longo, mas estarei com você enquanto o seu problema se mantiver no tórax. E faço votos para não precisarmos de outros colegas”.

Oferece a mão, fria, com unhas bem cortadas, a revelar esmero. Protocolo social que, ao paciente, aparenta ser um até logo.

Ou adeus.

Ou pêsames.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>