8:27Doutor Segovia, por qué no te callas?

por Elio Gaspari

O doutor Fernando Segovia começou seu mandarinato com dois pés esquerdos. Depois de ser empossado numa cerimônia que contou com a presença inédita do presidente da República, ele criticou a ação da Procuradoria-Geral da República e da própria PF no caso da investigação e das negociações que beneficiaram os irmãos Batista e a JBS.

Produziu duas pérolas. Na primeira disse que alguns aspectos do caso se tornaram “um ponto de interrogação que fica hoje no imaginário popular brasileiro”. Na segunda, foi preciso: “Uma única mala talvez não desse toda a materialidade criminosa que a gente necessitaria para resolver se havia ou não crime, quem seriam os partícipes e se haveria ou não corrupção”.

Devagar, doutor. A pergunta que está no ar é o destino final da mala recebida pelo ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor e pessoa da confiança de Michel Temer. Ela não faz parte do imaginário popular, como o Saci-Pererê, mas da dura realidade nacional.

Ainda assim, a mala que Loures recebeu de um emissário da JBS numa pizzaria de São Paulo é prova bastante da corrupção dele. Segovia tem razão quando argumenta que uma investigação mais calma levaria aos destinatários finais dos R$ 500 mil, mas daí a dizer que uma mala não basta para provar a corrupção, vai enorme distância.

O delegado Segovia apresentou-se fazendo perguntas. É o que menos se espera de um chefe da Polícia Federal. O grande detetive Hercule Poirot fazia suas perguntas para estruturar um raciocínio que desembocava numa surpreendente revelação. Segovia não deu respostas. Apenas distribuiu insinuantes indagações.

Em vez de deixar o problema na floresta do “imaginário popular” onde mora o Saci-Pererê, Segovia deveria anunciar que vai correr atrás das respostas. É assombroso ouvir do chefe da Polícia Federal que há muito a ser explicado e que “talvez seria bom, para que o Brasil inteiro soubesse, que houvesse uma transparência maior sobre como foi conduzida aquela investigação”. Ótima ideia. Sem “talvez”, Segovia poderia ter anunciado que, a partir de hoje, fará isso.

O grampo de Joesley Batista e a mala de Loures paralisaram o país e levaram Michel Temer à lona. Passados cinco meses, sabe-se que no lance havia um doutor com um pé na PGR e outro num escritório que defendia interesses da JBS. Aquilo que Segovia classificou como pressa do procurador-geral Rodrigo Janot seria melhor entendido se fosse chamado de interesse. Essa pelo menos é a opinião de um procurador, que acusa Janot de ter tramado a queda de Temer da Presidência da República para impedir a nomeação de Raquel Dodge. Quase conseguiu.

A exposição da trama faria bem ao país, mas não eliminaria dois fatos:

1) O interlocutor de Joesley Batista no grampo do Jaburu é o presidente Michel Temer.

2) A mala entregue a Rodrigo Rocha Loures tinha R$ 500 mil e veio da JBS.

Segovia poderia vir a expor a maneira como esses dois fatos foram manipulados. Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa.

À maneira de Hercule Poirot pode-se fazer uma pergunta a Segovia: “Por que Michel Temer foi à sua posse?”

O velho policial ensinava que “se você não é bom de palpites, não seja detetive”.

*Publicado na Folha de S.Paulo

2 ideias sobre “Doutor Segovia, por qué no te callas?

  1. nelson padrella

    Quando li o nome Segóvia corri imediatamente em sua defesa. Estive em Segóvia, duas vezes, y me encantó a arquitetura, as gentes, os rangos. Adoro Segóvia. E nem é preciso ter uma mala cheia de dinheiro para viajar à Espanha. Basta um passaporte, uma mochila e uns poucos euros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>