17:54Devo, não pago…

Rogério Distéfano

Não há esfiha neste mundo que pague minha dívida com Gerson Guelmann, nosso confrade do etudoacabouemsfiha.com.br. A coluna do débito vem de longe, da adolescência, ele, Gilberto, o irmão mais velho e eu – entre outros melhor votados de Curitiba – internos no Ginásio Adventista Paranaense, ali onde é hoje a CIC. Foi o pai dele, Isaac, maçom como o meu, quem indicou o colégio – conta a lenda familiar que a escola corrigia filhos encrenqueiros, e aqui falo por mim, pois da parte dos Guelmann havia encrenca diária entre Gilberto e Gerson, coisa normal entre irmãos.

Passa o tempo, bons vinte anos, e tropeço em Gerson de novo, melhor amigo da moça que eu namorava, relação de irmãos entre eles. A recepção não foi das mais calorosas. Até hoje não tirei a limpo porque não interessa, somos bons e fraternos amigos. Amigos, sim, mas a conta corrente não sai do saldo credor de Gerson: como sempre, outros vinte, trinta anos, e ele me salva de tocaia armada pela tropilha do caudilho do Bigorrilho. E olhe que Gerson estava do outro lado. Gerson é mensch, como dizem os judeus das pessoas de valor.

Ainda peço recuperação judicial, a dívida aumenta todos os dias, não pago e ele insiste em não cobrar. Os lançamentos na conta do débito cada vez menos espaçados, ainda hoje, domingo, teve mais um: ele, sempre gentil, avisa pelo zap zap que errei em texto neste blog, no qual confundi bagulhos com bagalhos. Mas a bem da verdade, ainda prefiro o velho Salomão, avô dele, que levava no bolso aquele vidrinho de “A Saúde da Mulher”, remédio para cólica menstrual, do qual se servia durante o dia. Lá dentro, a melhor pinga de Morretes. Melhor que esfiha, não acham?

3 ideias sobre “Devo, não pago…

  1. Gerson Guelmann zs

    Da. Rosane está aqui, esfigmomanometro e caixa de lenços Yes ao alcance das mãos, como convém a mulher casada com idoso que deu de ficar emotivo quando lhe aprontam uma dessas.
    Já no que concerne a suposta má acolhida quando do início do namoro com a amigairmã a explicação é óbvia: ciúme de irmão, carente de informações acerca do pretendente. Não mais do que uma semana decorrida do assédio, e com os nada-consta em mãos, declarei à assediada, hoje avó de 4 netos internacionais: – “com esse você vai casar”. “

  2. Jorge

    Linda a história! Caso de pessoas de boa índole e amigos verdadeiros, que infelizmente estão ficando raros. Ainda bem temos vocês que representam a nossa cidade e ao mesmo tempo nos representam! Saúde para vocês todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>