22:04Bolsonaro vai a 26%; Haddad e Ciro têm 13%, diz Datafolha

Da FSP

Fisicamente fora da campanha eleitoral desde que foi esfaqueado no dia 6, Jair Bolsonaro (PSL) lidera a corrida à Presidência com 26%, segundo nova pesquisa do Datafolha.

Na semana em que foi oficializado candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad viu sua intenção de voto subir dos 9% registrados na segunda (10) para 13%. Está empatado numericamente com Ciro Gomes (PDT), que manteve sua pontuação, e na margem de erro também com Geraldo Alckmin (PSDB), que oscilou de 10% para 9%.

Em curva francamente descendente está Marina Silva (Rede), que caiu de 11% para 8% e hoje tem metade das intenções de voto que tinha quando sua candidatura foi registrada em agosto.

O levantamento foi feito entre quinta (13) e sexta (14), ouvindo 2.820 eleitores em 197 cidades, com uma margem de erro de dois pontos para mais ou para menos. A pesquisa foi contratada pela Folha e pela Rede Globo.

A pesquisa anterior havia sido realizada na segunda (10). Bolsonaro oscilou positivamente dois pontos desde então, numa semana em que teve de submeter-se a uma cirurgia de emergência para desobstruir o intestino. O deputado segue incomunicável na UTI do Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

A curva é favorável a ele, mesmo tendo crescido dentro da margem de erro. Antes do atentado, ele registrava 22% de intenções de voto na primeira pesquisa sem a presença de Lula no cartão apresentado aos entrevistados. Seu eleitor se diz o mais convicto: 75% afirmam que não mudarão de voto.

Bolsonaro também oscilou positivamente para 22% nas citações espontâneas ao nome do candidato preferido, liderando com folga nesse quesito.

O levantamento ocorreu um dia antes do registro de Haddad, então vice de Luiz Inácio Lula da Silva, como presidenciável. Preso por corrupção, o ex-presidente é inelegível por ter condenação em segunda instância.

O ex-prefeito dobrou sua pontuação na pesquisa espontânea, de 4% para 8%, empatando com Ciro, que subiu de 5% para 7%. À sua frente há a rejeição do eleitorado a um candidato indicado por Lula: 49% dizem que não votam, contra 32% que o fariam. Mas o processo de identificação entre os dois segue em curso: na pesquisa de 21 de agosto, 17% achavam que Lula apoiaria Haddad. Agora, já são 52%.

Previsivelmente, ele registra um forte crescimento no Nordeste, reduto eleitoral de seu padrinho político, Lula. Lá, supera numericamente Ciro num empate (20% a 18%). Bolsonaro tem 17% na região. Se dizem convictos no voto em Haddad 72% dos eleitores.

Alckmin registra os mesmos 3% espontâneos da pesquisa anterior, empatado com Marina, João Amoêdo (Novo) e Alvaro Dias (Podemos), todos com 2%.

A pesquisa traz más notícias para o tucano, que esperava crescer com a exposição de duas semanas com o maior horário de propaganda gratuita de rádio e TV. Ele perdeu três pontos no Centro-Oeste e um no seu reduto, o Sudeste. Seu eleitor também é menos sólido: 61% dizem que podem mudar de voto.

A maior rejeição entre os candidatos segue sendo a de Bolsonaro, tendo oscilado de 43% para 44%. Entre mulheres, grupo no qual seus adversários investem bastante e que compõe 52% do eleitorado, o deputado é rejeitado por 49%.

Haddad, por sua vez, viu seu índice de rejeição subir de 22% para 26% na sua primeira semana como candidato oficial, à frente numericamente Alckmin (25%). Dos principais concorrentes, Marina oscilou de 29% para 30% e Ciro, de 20% para 21%.

Apesar de manter a alta rejeição, Bolsonaro teve discreta melhora no seu desempenho de segundo turno. Ele empatou no limite da margem de erro com Alckmin (41% a 37% para o tucano) e passou numericamente Haddad em empate (41% a 40%), por exemplo. Segue perdendo para Ciro e Marina.

Tendo ultrapassado Alckmin, Ciro ganha todas as simulações de segundo turno. Seu melhor desem

O nível de confiança é de 95%. Levantamento registrado no Tribunal Superior Eleitoral com o número BR 05596/2018.

2 ideias sobre “Bolsonaro vai a 26%; Haddad e Ciro têm 13%, diz Datafolha

  1. vajra

    DATAFOLHA FAZ MANOBRA PARA BURLAR ELEIÇÕES
    Com todas as ressalvas que o #Datafolha merece, este é o resultado da última pesquisa. Notem que Bolsonaro, apesar da tendência de alta consistente, sempre cresce 2 pontos percentuais, no limite da margem de erro — resultado de uma possível manobra para puxá-lo para baixo.
    Afirmo com bastante tranquilidade que, quando o Datafolha apresenta Bolsonaro com crescimento de 2 pontos percentuais, o instituto está atribuindo a ele apenas o piso dentro da margem de erro. Assim, se atribuem 26% dos votos totais a ele, ele tem pelo menos 28% dos votos totais.
    Há motivos plausíveis para crer que o Datafolha está usando a margem de erro para puxar Bolsonaro para baixo. Há quatro ou cinco pesquisas, o instituto mostra ele crescendo 2 pontos percentuais, dentro da margem de erro, o que é inconsistente com as demais pesquisas.
    - Filipe G. Martins

  2. Parreiras Rodrigues

    Não voto em Bolsonaro. Nem khando. Mas que o volume de campanha dele é o dobro do de todos os outros juntos, ora se é.

    Pesquisa mais furada que tabuleiro de pirulito. (que nunca mais vi).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>