14:31Bailarina

de  Fernando Muniz

Passos precisos desfilam pelo palco, em uma rotina isenta de improvisos, que não admite falhas e só recompensa o que soar perfeito.

Ela parece nem respirar. Não pode ser deste mundo, ou em qualquer lugar conhecido. Seus movimentos parecem fáceis, simples de executar. Tudo leva a crer que são naturais, até porque executados por uma criatura frágil, uma criança, de pele alva, cabelos negros e olhos repuxados, feito boneca de porcelana.

Piruetas, flexões e contorcionismos, embalados por uma música plácida, que imita a natureza, servem ao deleite dos que reconhecem o quanto vale a dedicação às aulas e ensaios, traduzida em performances plenas de flores e aplausos.

Graça tocante, nos limites do belo absoluto. De uma infância perdida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>