5:55História de locutor

por JamurJr

Ser locutor de rádio foi meu sonho de criança, realizado com muito esforço e dedicação. O primeiro contato com o microfone foi na Rádio Ipiranga, de Palmeira, onde meu amigo Motir Assad tinha programa infantil. Aceitei correndo o convite, e entrei  como aprendiz. Naquele tempo podia. Trabalhei na mesa de som, como auxiliar de discoteca, de programação e acabei como locutor – tudo o que eu queria. Isso aconteceu la pelos idos de 1950. Algum tempo depois fui para Curitiba estudar no Colégio Estadual do Paraná. Afoito, procurei uma espaço no quadro de locutores de algumas emissoras. Naquele tempo a Guairaca, Clube, Cultura e Marumby disputavam os melhores índices de audiência. Os melhores resultados eram das duas primeiras. Fiz um teste – e não passei. Sem dinheiro, voltei a Guaratuba , para casa de minha mãe, onde fiquei pouco tempo, falando de vez em quando no serviço de alto-falante do Media Luz e jogando futebol com o pessoal do Ipiranga. Apareceu por lá um parnanguara apaixonado por uma guaratubana. Nilo Quandros, grande amigo, conhecido como Perigo Fino em Paranaguá, era jogador do Elite e me convidou para  entrar nesse time. Peguei a Diligência do Camarão, pela praia, e cheguei em Paranaguá. Treinei na Costeira e ganhei um emprego na Cia. Sertaneja de Armazéns Gerais.  À noite fazia locução na radio dos padres, cujos estúdios estavam sacristia da igreja matriz. Uma colega , Ady, insistia para que eu subisse a serra em busca de melhor oportunidade. Ela telefonou paras o locutor chefe da Radio Cultura, Souza Miranda. Peguei o trem e subi. Com minha mala de papelão quase vazia cheguei na sede da emissora, na rua Barão do Rio Branco.

- Quero falar com Souza Miranda.

Minutos depois chegou  Miranda.

-Sou o locutor de Paranaguá de quem a Ady lhe falou.

-Ah, esperta um pouco que vou falar com Dr. Abilio.

Passados alguns minutos ele voltou dizendo:

- Venha amanhã as nove horas que  será seu horário de locução.

Sem me conhecer, sem saber se eu falava bem, falava mal etc, Souza Miranda abriu um caminho. para uma carreira no rádio e televisão que só terminou em 2002.

Viva o rádio e radialistas como Souza Miranda.

2 ideias sobre “História de locutor

  1. Walter Werner Schmidt

    Grande Jamur.
    Mais uma bela história. Sou seu admirador como homem de rádio e televisão desde sempre. Um abração, amigo.
    Walter Schmidt

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>