11:57Se correr, o bicho pega

Do Analista dos Planaltos

Se conseguir voltar a respirar no inferno em que se encontra após as revelações de suas conversas incestuosas com o ex-juiz Sérgio Moro, o procurador Deltan Dallagnol pode ascender ao Purgatório. Mesmo assim, sua vida não será fácil. De cara, dá pra notar que ele se enquadra no primeiro dos sete pecados capitais (veja-se “A Divina Comédia”, de Dante).

O orgulho e a soberba do procurador transparecem em todas as afirmações, em todas as pausas dos diálogos. Pelo sim, pelo não, Dallagnol submergiu. Conta com a habitual prática nacional de colocar, de tempos em tempos, um novo escândalo no noticiário, como forma de esquecer o passado insepulto e não solucionado.

Mudo e calado, o procurador não se reconhece. Não é original. Seu mestre, Sérgio Moro, já vem há mais tempo praticando o “nada vejo, nada ouço, nada falo”. É mais ou menos um comportamento inspirado no ex-presidente João Figueiredo (para usar um militar, tão em moda desde que Jair Bolsonaro idolatrou indistintamente fardados honrados e outros nem tanto). “Esqueçam de mim”, dizia o João, com enfado, ao raciocinar sobre o legado que deixaria como presidente. Moro anda assim.

3 ideias sobre “Se correr, o bicho pega

  1. SERGIO SILVESTRE

    Pois é,como o mundo da voltas,mas pensando bem,eu era feliz nos tempos do Lula,eu fico aqui pensando ,um homem que mora no mesmo apto meia boca a décadas,que vem desde torneiro mecânico até a presidência com hábitos de classe média .Quanto aos dois golpistas safados ai ,cadeia neles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>