15:43A Lava Jato e o Brasil do passado

por Mário Montanha Teixeira Filho

As matérias divulgadas a conta-gotas pelo portal The Intercept Brasil a partir de 9 de junho foram um golpe duro para Sérgio Moro, Deltan Dallagnol e outras celebridades da Lava Jato. Diálogos pouco edificantes sobre procedimentos legais e “combate à corrupção”, agora tornados públicos, revelam o mais absoluto desprezo por princípios elementares do direito e pela Constituição. No comando da república de Curitiba, uma tolice midiática cultuada por fanáticos, a dupla praticou aberrações jurídicas, contou com a colaboração de outros agentes públicos em suas estripulias, teve apoio de setores da imprensa historicamente vinculados a golpes de Estado e interferiu no destino político do País, hoje sob a presidência de um capitão do Exército que enxerga comunismo, drogas, sexo e roquenrou em tudo.

O que apareceu nas conversas entre as autoridades ilibadas não chega a surpreender. Para quem algum dia teve a curiosidade de analisar a atuação da “força tarefa”, não foi difícil ver que interesses estranhos rondavam as investigações. Juízes, promotores e policiais alçados à condição de paladinos da moral, da família e da religiosidade ganharam passe livre para praticar, desde o início da operação, um ativismo judicial que forjou processos cujos resultados estavam previamente definidos. O mais célebre deles pôs na cadeia o ex-presidente acusado de receber, como propina, um triplex no litoral paulista registrado em nome da construtora do imóvel. A condenação de Lula, não por acaso, é o tema central das informações trocadas entre juiz e acusador, que se empenharam em transformar indícios, papéis rasurados e reportagens de um jornal “amigo” em provas absolutas, corroboradas por delatores premiados [1].

Essa disfunção processual é nítida nas peças fabricadas por Moro e Dallagnol. Sabe-se, agora, em que circunstâncias elas surgiram para o mundo. Eis a única novidade. De resto, a suspeição de Moro para julgar sempre se fez perceber em suas aparições vaidosas – por vezes constrangedoras – em eventos sociais patrocinados por inimigos declarados do réu. Ou na platitude com que se deixou retratar em capas de revistas como combatente pela moralidade, herói dos fracos e oprimidos, símbolo da nova era, de um Brasil destinado a recuperar a ordem e o progresso gravados no lema positivista da sua bandeira.

Para os envolvidos nessa confusão, sobrou a tentativa de relativizar o alcance dos fatos, primeiro, e de negar a sua autenticidade depois. Já os meios de comunicação coautores da farsa judiciária se concentraram na ilegalidade do material obtido pelo Intercept, de modo a fazer da dupla de vazadores contumazes – Moro e Dallagnol, convém não esquecer, foram pródigos em repassar dados e gravações obtidos pela Lava Jato a órgãos da imprensa – vítima de “grampeadores”. O passo seguinte, que já se insinua, será a criminalização dos jornalistas responsáveis pela denúncia. Assim funcionam as instituições deste latifúndio tropical, esperança do morismo renitente e suas inclinações autoritárias, ultimamente bradadas em tom nervoso – o morismo e seu exército do “bem”, a legitimar a barbárie inquisitória desde que seus desafetos sejam os receptores do castigo.

“Mas a troca de ideias entre juízes e promotores é comum no cotidiano da Justiça”. “Mas a sentença que decretou a prisão de Lula foi confirmada em instâncias superiores”. “Mas houve corrupção na Petrobras, e era imperioso desbaratar a quadrilha que assaltou o País”. “Mas o que interessa é que a Lava Jato prendeu criminosos de colarinho branco”. “Mas quem é contra a força tarefa é a favor dos corruptos”. Essas são algumas das máximas repetidas pelos que insistem em justificar o conluio entre Ministério Público e Justiça Federal que o jornalismo investigativo mostrou.

Um pouco de cautela faria bem a essa gente. Como se sabe, tem mais, muito mais por aí. Não é à toa que a sequência do escândalo assusta os envolvidos. Veio da juíza Gabriela Hardt, sucessora de Moro na 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, a primeira reação. Sem esperar por manchetes comprometedoras, ela antecipou que entrará com ações judiciais contra os editores do site caso o seu nome apareça na série de reportagens [2]. 

A legião dos preocupados reúne outros coadjuvantes da trama: procuradores, jornalistas, desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região e membros do Supremo Tribunal Federal. É possível que os seus perfis se tornem mais familiares quando – ou se – o conteúdo das mensagens eletrônicas que compartilharam explicar novos detalhes do protagonismo do Poder Judiciário na disputa presidencial recente. Há, por exemplo, muito a ser dito sobre o julgamento que indeferiu, em tempo recorde, a apelação que os advogados de Lula encaminharam ao tribunal de Porto Alegre, responsável pela análise da matéria em segunda instância. E sobre as manobras do STF que convalidaram a prisão do ex-presidente antes do trânsito em julgado da sentença condenatória [3]. E sobre as horas de angústia e expectativa vividas no dia 8 de julho de 2018, um domingo em que o TRF4 e a república de Curitiba entraram em polvorosa, surpreendidos pelo despacho de um desembargador de plantão que ordenou a soltura imediata do réu famoso [4]. E assim, sucessivamente, sobre curiosidades, coincidências e interpretações dos fatos que cercaram e cercam esse enredo novelesco.

As consequências das publicações do Intercept ainda estão por ser determinadas, mas não há como negar que os processos da Lava Jato já foram atingidos por elas. Nada será como antes, gostem ou não os super-heróis nacionais e seus comparsas, circunspectos senhores de um moralismo quadrado. Moro e Dallagnol, entre muitos outros funcionários do Estado, ultrapassaram os limites das atribuições que lhes cabiam, cometeram ilícitos administrativos graves e fabricaram provas e sentenças conforme suas convicções ideológicas. Contribuíram, com métodos heterodoxos de investigar e decidir, com a derrubada de uma presidente da República, em 2016, e articularam politicamente para encarcerar o candidato que despontava como favorito para vencer o pleito de 2018. Feito o serviço, o ex-juiz se transformou em ministro da Justiça, com promessa de futura nomeação para o STF – um regalo, ao que tudo indica, negociado previamente entre os interessados.

Não é coisa pouca. Foram princípios civilizatórios que a Lava Jato e congêneres pisotearam. Daí a necessidade de recomeçar tudo, reconstruir a democracia perdida, desfazer a síntese dessa aventura sombria: a sentença de Moro, um juiz que nunca foi juiz, no caso do triplex. Esse é o sentido da liberdade de Lula, uma exigência fundamental para superar o regime de exceção que abandonou o Brasil num canto escuro e triste do passado.

 

[1] Sobre as provas produzidas no processo do triplex, fundadas em reportagens antigas do jornal “O Globo”, ver o artigo “Assim decretou Sérgio Moro: breves apontamentos sobre política e Justiça” (http://www.assejurpr.com.br/artigos/assim-decretou-sergio-moro-breves-apontamentos-sobre-politica-e-justica/).

[2] Sobre reações às matérias divulgadas pelo site Intercept, ver, entre outras, a matéria “Juíza Gabriela Hardt promete processar responsáveis caso tenha conversas vazadas” (https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2019-06-17/juiza-gabriela-hardt-promete-processar-responsaveis-caso-tenha-conversas-vazadas.html).

[3] Sobre a liminar do TRF4 que determinou a soltura de Lula, ver o artigo “Lula, habeas corpus, teratologia e política: a centralidade do Poder Judiciário na crise institucional brasileira” (http://www.assejurpr.com.br/artigos/lula-habeas-corpus-teratologia-e-politica-a-centralidade-do-poder-judiciario-na-crise-institucional-brasileira/)

[4] O julgamento aconteceu no dia 4 de abril de 2018, com voto decisivo da ministra Rosa Weber, que, apesar de ser contrária à prisão de réus condenados em segunda instância, se manifestou conforme a “maioria”, autorizando a prisão de Lula.

 

7 ideias sobre “A Lava Jato e o Brasil do passado

  1. Jorge Armado

    Verdade Zangado! Por isso eu sou a favor da censura. Um site como esse aqui tinha que ser tirado do ar. O jornalista responsável, o tal Zé Beto ( deve ser codinome) tinha que ser levado numa coercitiva para o MPF, porque certamente tem conexões com hackers, jornalistas estrangeiros invertidos e quilombolas. Esse povo tinha mais é que ir pra Venezuela ou Cuba. Aliás isso a gente deveria copiar dos governos desses dois países; lá não tem liberdade pra ficar atacando governo nem mimimi de direitos humanos e outras viadagens. Nisso eles estão certos. Tô com vc e não abro. Todo poder ao povo cristão do bem!

  2. jose

    Mais um lulista que já notou que já que é impossível derrubar as provas, a única e desesperada alternativa é a partir de um crime tentar criar um fato novo para pedir a anulação deste processo…
    E este sindicalista acha que engana alguém…

  3. Parreiras Rodrigues

    Caprichou demais. Resultou numa Montanha de odes à bandalheira, à roubalheira. Vai, Teixeira, prende o Xerife, solta a quadrilha….

  4. SERGIO SILVESTRE

    A lava jato é um projeto politico,tanto que seu chefe está lá como ministro e de olho no cargo de presidente.
    Olhando o semblante do Moro,ele parece personagem de filme de scar face ou aqueles sujeitos que levantam das tumbas e vem assombrar o mundo.
    E onde esse tipo de gente põe a mão,só trás desgraças como essa que acomete a nação e todo um povo.
    Claro que ainda tem os embriagados pelo ódio ,tanto que sangram mas ficam postados de pé,com sua convicção ou com vergonha de ter optado por isso.
    Mas cade o fim da …CORRU PIÇAO

  5. Jose

    Silvestre, uma pergunta.

    Supondo que vc estivesse certo, que realmente a lava jato fosse um projeto político, daria certo se não houvessem os crimes?

    Se considerarmos o todo, o total de presos e condenados (absolvidos também), o total de dinheiro que foi roubado e um tanto mais, sua tese não se sustenta. Teria que ocorrer uma junção de coincidências tão grande que abalaria o estudo da matemática, especialmente a parte do cálculo de probabilidades

    O problema são as provas, sim elas existem.

    Esta balela de que “destruiu a economia” é outra farsa, milhares de Empresas quebraram e milhões ficaram desempregados pela irresponsabilidade e incompetência de dilma rousseff e seus aliados, mas você não deu um pio. Aliás votou nela e no temer duas vezes.

    O que aconteceu com as Empresas envolvidas foi lógico, a partir do momento que acabou a falcatrua elas também se acabaram. Já aconteceu antes e continua acontecendo. E isto também revela que o esquema era tão forte que eles nem se preocupavam em blindar as Empresas .

    Pare de achar que tudo se resume a lula, vai te fazer bem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>