18:10Pino a mais, pino a menos

De Rogério Distéfano, no blog O Insulto Diário

O PRESIDENTE QUER ACABAR com a tomada dos três pinos. Qual é o problema, o pino a mais de Dilma Roussef ou o pino a menos de Jair Bolsonaro? Não resolve o anterior e cria o mesmo, replicado. Cidadãos, comércio e indústria terão despesas para se adaptar ao pino a menos como tiveram antes com o pino a mais.

Extinguir a tomada significa destruir o passado a pretexto de construir o presente. Porque o futuro não é, como seria desejável. Melhora alguma advirá. Coisa pequena, de político menor, que, já eleito, leva um mandato em campanha para derrotar o antigo antecessor. Algo com o ódio que responde ao amor recalcado.

Lembra o caso emblemático do Paraná, quando Roberto Requião assumiu o governo e uma de suas primeiras medidas foi mudar o nome do museu construído em fim de governo por Jaime Lerner, seu antecessor e nêmesis desde a juventude. O pino e o museu são atos mais freudianos que maquiavélicos.

2 ideias sobre “Pino a mais, pino a menos

  1. SERGIO SILVESTRE

    Um presidente que numa reunião empilha uma lata de leite condensado,uma goiabada cascão e uma garrafa de pinga,talvez esse seja seu feito mais importante desde que pegou a faixa,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>