20:32ZÉ DA SILVA

A cena é violenta demais. Há bebida. Há o demônio humano estuprando. Há uma criança. Há a polícia. Há o algemado perdendo os dentes com a porretada na boca. Fechei o livro para sempre, mas o jeito que o velho descreveu ficou para sempre. Bukowski. Florzinhas e mensagens positivas que me atacam na internet sem eu pedir. Há esperança? A casca da ferida podre é mostrada 24 horas por dia na tela que matou a janela. O interesse aumenta, o patrocínio da cerveja que vai fazer você ser transportado para o paraíso entre as pernas da bela modelo. Padres e pastores ganham mais para tirar o satanás de quem já nasceu perdido. Procuro pelo anjo da guarda e ele fugiu da imagem que ganhei na escola de freiras. Ficaram as crianças com olhar no nada – e na estrada que termina abruptamente no precipício. O que vai acontecer? Nunca acreditei em céu ou inferno. Queimei a língua. Vivo nele.

Uma ideia sobre “ZÉ DA SILVA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>