20:25ZÉ DA SILVA

Viajou 50 quilômetros para ver um filme. Dublado. Ele que frequentava cinema de arte em São Paulo e se apaixonou pela arte… Do Nordeste contou para o irmão que naquelas bandas faz tempo que acontece isso. Ninguém quer ter o trabalho de ler as legendas, preferem aquela coisa que inspirou Chico Anysio a fazer um quadro engraçado, mas… Fiquei ouvindo a história e lembrei de uma frase do Paulo Francis que, em versão de memória, dizia que a vida é muito mais emocionante. Não há dublagem, mas sim o que contamos depois, como a história do dia que entramos numa praia de ondas gigantes e uma atrás da outra, arrebentando, engolindo, empurrando. O sufoco foi tão grande que chegamos ao limite – mais um pouco, a morte naquele fim de tarde cinzento no lugar sem uma alma viva. Quase meio século depois o amigo que estava junto diz: “Foi uma loucura – e você não falou nada naquele dia”. Sim, fiquei com aquilo lá dentro, para sempre. Que filme!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>