22:27ZECA CORRÊA LEITE

Felícia, minha avó, dizia que morrer é enfileirar um sono a outro, e assim o morto vai dormindo até virar nada. Até virar céu, porque perde as feições, a pele, unhas, cabelo, sossego, desassossego, lutos de outras mortes e assim sucessivamente pelo que colheu no correr da vida. Quando a alma deixa de ter brilhos e penumbras, um pouco de azul, vermelho, violeta, qualquer cor, e fica transparente, então vira céu, ela ensinava. Hoje ela dorme na fieira dos sonos, mas acho que sonha sonhos verdes. Vai demorar pra coitada virar céu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>