11:33A lei sobre a compra de imóvel na planta é inconstitucional

por Claudio Henrique de Castro

A recente Lei nº 13.786, de 27 de dezembro de 2018, dispôs sobre o consumidor e a compra de imóvel na planta, ou seja, sobre a incorporação imobiliária.

Toda lei nova gera a dúvida se ela está ou não de acordo com a Constituição. Esta, em particular, prevê que:

A construtora pode atrasar 180 dias a entrega do imóvel a partir da data estipulada no contrato e não pagará nenhuma multa ou terá qualquer punição contratual por isso.

Após os 180 dias, terá mais 60 dias para devolver o dinheiro ao consumidor; então, terá uma carência total de 240 dias.

Se apesar de tudo isso o consumidor quiser receber o imóvel, a construtora pagará 1% de multa, independente das prorrogações.

Outra coisa: a multa de desfazimento ou desistência do consumidor em seu desfavor, poderá ser de 50% (cinquenta por cento), descontadas diversas despesas que podem acrescer esta porcentagem, sem limitações legais.

Igualmente o prazo para a devolução dos valores pagos pelo consumidor será de 180 (cento e oitenta) dias após do desfazimento do contrato, podendo o valor ser dividido em 12 parcelas mensais, isto é, mais um ano após os 180 dias.

Esta lei é resultado da atuação de um Congresso Nacional em final de mandato.

Em 2018  a Câmara dos Deputados Federais se renovou em 43,7% e o Senado Federal em 87%. Uma mudança significativa, quase cinquenta por cento de novos deputados e quase noventa por cento de novos senadores.

Na verdade, houve uma corrida contra o tempo para a aprovação da lei aqui abordada, sem profundas discussões, ou interlocução com sociedade e os consumidores.

Foi promulgada e publicada no apagar das luzes do final da legislatura, dia 27 de dezembro de 2018.

Desde 1990 o Código de Defesa do Consumidor prevê que é proibido ao fornecedor de produtos ou serviços exigir vantagem manifestamente excessiva do consumidor. É o que justamente aconteceu com os dispositivos desta lei que prevê prazos excessivamente elásticos e devoluções de arrependimento completamente absurdas.

A Constituição Federal prevê, desde 1988, o princípio da defesa do consumidor. Ela é como um filtro contra novas leis que rebaixem ou anulem as proteções e garantias conferidas aos consumidores.

Portanto os conteúdos desvantajosos aos consumidores e excessivamente favoráveis às incorporadoras e construtoras com esta nova lei não estão de acordo com a Constituição e, portanto, são claramente inconstitucionais.

Aguardamos que o Poder Judiciário analise isto e declare a inconstitucionalidade desta lei – na sua quase totalidade.

Em nosso país, muitas vezes, o Poder Legislativo comete equívocos em desfavor dos consumidores. A nosso ver, foi exatamente isto que ocorreu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>