9:56Síndrome Bolsonaro

por Luiz Felipe Pondé

Síndrome é um termo científico pra descrever um conjunto de sintomas que caracteriza um processo patológico. Por síndrome Bolsonaro aqui não me refiro à pessoa do Bolsonaro, nem à Presidência, nem à administração Bolsonaro como um todo. Refiro-me ao comportamento de pessoas em relação ao fenômeno social, político e psicológico ao redor da figura e da vitória de Bolsonaro. Pessoas essas contrárias ou a favor.

Entre as contrárias, basicamente, a inteligência pública. Entre as a favor, seus apoiadores saídos das fileiras de gente comum.

A síndrome Bolsonaro atingiu em cheio a inteligência publica, na sua imensa maioria. Um dos sintomas é a histeria. Muita gente achando que gay não vai poder namorar na rua, professores serão presos por dar aula de história, a moçada do #elenão prevendo o apocalipse.

Vale dizer que essa moçada era basicamente gente bacana, com grana, bonita, que paga seguros de saúde caros e viaja para praias vazias nas férias ou para o exterior, que nunca sofreu muito com a miséria do país a não ser atrás de alguma câmera de documentário sobre pobre, drogado e bandido; enfim, gente caminhando e cantando por aí.

Profissionais da inteligência pública insistem em se referir a ele como fascista, Jair Messias (assumindo que seu nome próprio é brega e trai sua condição um tanto cristã e provinciana de ser), quando não capitão ou carola. Durante a eleição se aliaram ao PT de forma histriônica como garantidor da ordem democrática.

O mesmo partido que se aliou à fisiologia corrupta e que tinha como projeto democratizar a mídia —isto é, distribuir a mídia para empresários amigos, como fizeram Chávez e Maduro na Venezuela.

O PT tinha como projeto não sair nunca mais do poder,  e para isso tinha e tem um exército de intelectuais, professores, artistas, jornalistas, estudantes, produtores culturais, funcionários públicos, publicitários e profissionais liberais orgânicos.

O problema com essa histeria é que a função “a priori” da inteligência pública seria ajudar as pessoas comuns (que não têm tempo para se dedicar a se informar, investigar, colher dados, refletir), a entender o momento político em que vivemos. Ao invés disso, a histeria degenera na condição de anticheerleader.

Análises são feitas de forma rápida a partir de estereótipos de direita, malvados, que comem criancinhas, carolas idiotas que creem em Deus e querem obrigar seus filhos a rezar para a Virgem Maria na escola, patrulhas que vão pegar as pessoas nas ruas e jogar dentro de uma igreja evangélica.

A inteligência pública se tornou irrelevante como elite que cuida da sociedade e se tornou um centro acadêmico de adultos imaturos gritando palavras de ordem.

A verdade é que pouco adianta ficar apostando na queda do Trump e similares. Há algo de estranho no ar político e social, e o mimimi de opressores versus oprimidos, guiado por uma inteligência que crê em mitos como o de jovens críticos, não vai servir como categoria de análise (a propósito, jovem crítico é fetiche, como a Apple, o jovem crítico é nome fantasia para jovem que curte a minha aula, que me acha bacana, que é arrogante, e acha que entende alguma coisa que está acontecendo no mundo).

Ou então o mito das forças progressistas contra atrasados, bregas, reacionários e crentes. Gente que se considera cosmopolita, moderna, chique, nova-iorquina, descolada, quer vomitar diante de gente que fala em valores familiares, humanidade de homens e mulheres, tradição judaico-cristã e horrores afins.

Frank Furedi, sociólogo britânico (incrivelmente ignorado pela indústria da crítica social e política brasileira), publicou um artigo na revista Spiked, em dezembro de 2018, em que ele chama atenção para o fato que a “revolução populista” (termo dele) está em marcha. E a elite cultural perdeu o bonde. Não vai adiantar esses inteligentinhos que trocam figurinhas em eventos do tipo #elenão ficarem se masturbando com termos do tipo que citei acima. É necessário entender o que essa revolta quer dizer e, quem sabe, ajudar um pouco para que ela não degenere em destruição das instituições democráticas.

No dia da posse, pessoas gritavam para a imprensa em Brasília: “WhatsApp, WhatsApp!”. O que isso quer dizer? Essa palavra, no contexto brasileiro, guardando-se as devidas proporções, quer dizer “guilhotina para a mídia”. Essa gente comum encontrou sua ferramenta jacobina: o WhatsApp. A inteligência pública ainda quer que eles comam bolo.

*Publicado na Folha de S.Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>