17:47ZECA CORRÊA LEITE

Quando me vejo rasgo de mim minha serenidade; quando me vejo me assusto, desconheço, indago-me: quem é esse que me vê? Quem alma é essa a me vasculhar, despertando infâncias que esqueci? Quem me vê é meu espanto, inutilmente tenta me proteger, cobre de veludo meus segredos, coloca linho em meu corpo, desajeitado canta para eu dormir. E chora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>