9:01Três tristes tipos nacionais

por Mario Sergio Conti

“O Doutrinador” é um embuste desde o título. Seu protagonista, um vingador nascido do cruzamento de Moro com Bolsonaro, não tem nada de doutrinário. Seu negócio é ação descerebrada: jogar pela janela, esganar, empalar políticos, juízes, passantes, qualquer um com pinta de corrupto.

Baseado numa história em quadrinhos, o filme de Gustavo Bonafé não tem estofo para ser uma fantasia fascista à lá “Tropa de Elite”. Sua trama é inverossímil até para os que, de boa vontade, topam suspender a incredulidade para ver um super-herói nacional de matinê.

Não funcionou porque o enredo é capenga. Uma bala perdida atinge a filha de Bolsomoro. Mal atendida, a menina morre num corredor de hospital. Em vez de se vingar dos médicos, ou dos colegas policiais que não acham o assassino, Moronaro senta a pua em Aécios e Paloccis.

“O Doutrinador” imita ipsis litteris super-heróis da Marvel. Tem elenco canastrão, diálogos de cortar os pulsos, estampidos pirotécnicos, coreografia ninja —não falta nem a jovem hacker de franja repicada. Tudo sem paródia, numa marra à Mano Brown.

O filme não dá mole para a meiga ironia de Paulo Emílio Sales Gomes, que falava de nossa “incapacidade criativa de copiar”. Sob as asas de Stan Lee, até que enfim temos cinemão de Hollywood feito em casa. Não lhe falta nem cor local, um viscoso verde-amarelo lava jato, tá OK?

Para a freguesia metida a besta, há outra pedra preciosa na prateleira das superproduções colonizadas. É dessas que concorre ao Oscar. Só não abiscoitará a cobiçada estatueta se houver marmelada. Afinal, é arte que se inspira em versos do Príncipe Parnasiano das Alagoas, Jorge de Lima.

“O Grande Circo Místico” é um poema curto. Com versos soltos e alçapões elípticos, ele se beneficia da rapidez. Como logo termina, ele atenua as imagens de mau gosto maior: moças que atiram braços, seios e sovacos à plateia de banqueiros e homens de monóculo. Já pensou?

Há quem goste. Esteve na moda na virada dos anos 1930 para os 40, sobretudo entre ratos de sacristia. Porque, no seu mau gosto lépido, “O Grande Circo Místico” revolve velhas taras de Jorge de Lima, um eterno coroinha dividido entre as ânsias da carne e os recalques do espírito.

De monóculo no centro do picadeiro, Carlos Diegues pôs uma maquiagem pesada no poeminha. Efeitos especiais uivam, moças pranteiam, leões rosnam, borboletas bailam. De novo, o diretor atira seios e sovacos sem pé nem cabeça. Atinge uma plateia não mais atônita, mas entediada.

O visual opressivo não dissimula o vazio. “O Grande Circo Místico” é um filme cavernoso e entorpecido de um artista que não tem nada a dizer. Diegues espera pelo estio e ama os sonhos que lhe restaram frios. Mas não consegue transmitir a emoção que tantas chuvas e enganos esvaíram.

Perto da idiotice de “O Doutrinador” e da presunção de “O Grande Circo Místico”, “Chacrinha: O Velho Guerreiro” fica bem maior do que pretendeu. Ainda assim, o filme de Andrucha Waddington é muito melhor do que o cinema nacional mostrou durante o ano.

“Chacrinha” é uma superprodução a que se assiste com interesse e agrado. O filme é simpático ao velho palhaço —como não sê-lo? Mas não celebra sua vulgaridade; explica o seu moralismo canhestro; conta que era corrupto; nota que sua exuberância tinha um núcleo opaco.

Waddington faz tudo isso com mão leve, realçando dramas psicológicos. Não quis destrinchar a constituição da indústria cultural no Brasil, na qual Chacrinha foi carro-chefe durante décadas, moldando-a em boa medida. Mas dá os dados, lembra, sugere, esboça a figura.

O espectador que se vire e conclua. Para tanto, o filme materializa a paisagem na qual Chacrinha se moveu. Há o cintilante cassino carioca dos anos 1940, na qual o provinciano de Pernambuco quer brilhar. A estação precária que lhe serve de trampolim para chegar à Rádio Nacional.

Daí se pula para emissoras mambembes de tevê, e delas para a Vênus Platinada. Em todas elas o talento arisco de Chacrinha dá o tom. Talento que talvez caiba numa palavra: caos. O tantã se cercava de desordem: “Eu não vim aqui pra explicar, vim para confundir”.

A tropicália viu nesse caos uma alegoria do Brasil. O filme evidencia, contudo, que o caos nascia num apartamento soturno e ordeiro, revestido de lambris, onde Chacrinha reinava como um triste tirano das antigas.

Ali se sabia que, sem índices de audiência e sem patrocínio, adeus alegoria. Adeus, alegria —que no entanto pulsa em “O Velho Guerreiro”.

*Publicado na Folha de S.Paulo

5 ideias sobre “Três tristes tipos nacionais

  1. Jose

    Que obsessão…e que preguiça, se o ilustre Mário Conti tirasse uns minutos para pesquisar veria que “O Doutrinador” é um HQ de 2008. Antes de Moro e Bolsonaro serem notícia portanto. O filme é de agora, a narrativa não.
    Dúvidas? Pesquisem.

    http://www.doutrinador.com.br

    Aliás, a cada dia fica mais difícil ler jornais…e blogs estão indo para o mesmo caminho.

    Preguiça mata.

  2. SERGIO SILVESTRE

    Pois é Zé Beto,acho que é preciso direita volver,eles não querem o contraditório,eles não compram se as portas forem avermelhadas,se o livro fala de socialismo,se o Padre tem um sermão para os descamisados.É,parece que estamos indo para o fundo do poço mesmo,nota-se pela qualidade escolhida,pelo palavreado autoritário e confesso que nunca vi um Pais assim nos meus 60 anos.

  3. Frik

    Obrigado pela dica, José… “Apocalipse em BSB” diz tudo.

    E o filme deve ser bom também, se não fosse, não teria esta atenção do crítico da Folha. ‘viscoso verde-amarelo lava-jato’ – Boa! E quem tem medo do verde e amarelo?

    “Chacrinha”… É, aquele programa que sempre passava, e a ‘gente bem’, as pessoas elegantes, nunca assistiam: ‘Vi de relance, a empregada assiste, Você sabe como é…’ – ‘claro, queridinha, lá em casa também é assim…’ -

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>