19:25ZÉ DA SILVA

O mergulho foi perfeito. Na fossa aberta dentro da prisão sórdida. Por que a cena de “Mimi o Metalúrgico” nunca saiu do registro mental? Ali, suicídio. Aqui eu penso também na força sobre-humana do personagem vivido por Giancarlo Giannini, obrigado a desempenhar dentro da sargentona alemã gigante – para fugir da morte certa. Viver é preciso. Seria esse mesmo o filme? Se não for, é, porque sei que a diretora Lina Lina Wertmüller jogou isso e muito mais nas telas do mundo. Agarrei estes pedaços para navegar num mar que é de pedras que cortam a alma até que ela, esfiapada, desapareça num bafo de calor infernal. Claro que não sou pessimista. É o dia, é a semana, é o mês, é o ano a me empurrar para a casca de banana enquanto ouço a picareta abrindo na terra o buraco para o encontro final – com os vermes. Não falei que era o dia? Que passa, como na música de Nelson Ned, o que se afundou no pó e morreu evangélico. Amanhã tem sol, alguém vai dizer uma coisa boa, vou tentar fazer embaixadinhas com uma bola, um acorde musical poderá me puxar e me empurrar para dentro do mar verde dos meus olhos. O mergulho… o mergulho…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>