10:31Simplesmente complexo

por Hélio Schwartsman

Bastou os caminhoneiros pararem por alguns dias para a sociedade ver-se à beira do colapso.

Combustíveis foram o primeiro item a desaparecer, mas produtos perecíveis também sumiram de algumas prateleiras. Serviços essenciais como transporte públicocoleta de lixopoliciamento foram reduzidos. E, como é difícil fazer a imaginação parar de trabalhar, logo projetamos situações em que a falta de insumos paralisaria hospitais, termelétricas, o abastecimento de água etc. Prolongue a greve por alguns dias e retornamos à Idade da Pedra.

Como nos tornamos tão vulneráveis? A resposta é simples: complexidade. Há poucas coisas mais complexas do que o funcionamento de uma economia que conecta em redes cada vez mais interdependentes milhões de agentes que atuam de forma autônoma. A ação estratégica de um único indivíduo —um erro de operação em Itaipu, por exemplo— pode parar o país inteiro.

Não nos pusemos nessa posição de fragilidade a troco de nada. A complexidade tem uma face mais positiva que aparece no desenvolvimento tecnológico e na produtividade. As interdependências que nos tornam reféns do imponderável também fazem com que avanços, mesmo que incrementais, tenham impacto positivo exponencial.

A rapidez do computador para fazer contas permite a criação de programas mais sofisticados, que ajudam a produzir componentes mais eficientes, que melhoram a performance dos computadores, que… Ao final do processo, produzimos mais utilizando cada vez menos recursos, o que é a definição de prosperidade.

Essa dupla natureza da complexidade fez com que surgissem nos últimos anos tanto profetas do caos, como o matemático John Casti, que preveem o colapso global, quanto médiuns da abundância, a exemplo de Ray Kurzweil e Peter Diamandis, que apostam que estamos próximos do nirvana tecnológico. O mais intrigante é que as duas correntes antagônicas podem estar certas.

*Publicado na Folha de S.Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>