15:37Oberlan Rossetim

A memória é um museu.
Há obras do que aconteceu
E sobras do que se perdeu.
Pelas galerias, tristezas e alegrias.
Esculturas de barro de um coração raro.
Pinturas de uma alma que levou surras e criou texturas.
Há a seção do que foi esquecido.
Lugar vazio, cheio de ontem amortecido.
Há obras raras, caríssimas, que não podem ser tocadas a não ser com luva de veludo, de onde vêm plenitude e luto.
As visitas são todas guiadas, por emoções que são sempre renovadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>