7:02Apesar de tantas mazelas, vivemos hoje no melhor dos mundos

por Rodrigo Zeidan*

Entre fake newsdesempregocorrupção e tantas outras mazelas, não podemos perder de vista que vivemos no melhor dos mundos.

Nada ilustra isso melhor que o teste criado por Hans Rosling,acadêmico que morreu no ano passado. Sua organização, Gapminder, continua a testar o público sueco sobre o mundo moderno. Os escandinavos costumam falhar miseravelmente. Rosling brincava dizendo que chimpanzés respondendo aleatoriamente se sairiam melhor.

Algumas das perguntas frequentes são: a maior parte da população mundial vive em países ricos, de renda média ou pobres? Sabemos que, hoje, homens com 30 anos de idade passaram dez anos na escola, em média. As mulheres da mesma idade, por sua vez, completaram três, seis ou nove anos de ensino?

No mundo, 20%, 50% ou 80% têm acesso a eletricidade? As mortes anuais por desastres naturais nos últimos cem anos e a pobreza mundial nos últimos 20 caíram pela metade, mantiveram-se constantes ou aumentaram?

Entender a evolução de processos de longo prazo é muito difícil. No Brasil, ainda há um mito de que no passado as escolas eram melhores. Um grande erro. Nos anos 1960, nem a metade das crianças completava o ensino básico. Hoje, o índice é de praticamente 100%.

Também quase universalizamos o ensino médio. Uma escola no passado podia ser “melhor” porque era elitista, excluindo grande parcela da sociedade. É mais fácil quando se pode concentrar todos os recursos para poucos.

Verdadeiro progresso também aconteceu na saúde, onde nos anos 1970 só os trabalhadores formais tinham acesso completo ao sistema “público”.

Claro que não podemos ser ingênuos. No Brasil, somos um desastre no quesito violência. Matamos mais de 60 mil pessoas por ano, na sua maioria negros e pobres. Ainda nos falta muito. Mas, mesmo para os menos favorecidos, as perspectivas de hoje são melhores.

Em 1970, um em cada quatro jovens entre 15 e 19 anos era completamente analfabeto
—em 2001, somente 3 em 100 não sabiam ler, e, hoje, quase nenhum. Nos anos 1960, adultos negros tinham um ano de escolaridade em média, enquanto brancos passavam três anos no sistema de ensino. Nos anos 1990, os totais eram de 3,3 e 5,9 anos, respectivamente.

Hoje, a diferença é menor, 9,4 anos, ante 10,7. O sistema ainda é ruim, mas pelo menos é ruim para todos. Ainda há muito elitismo em vários sistemas públicos, mas o que importa é evoluirmos —não se muda um país do dia para a noite.

No século 18, Voltaire publicou “Candide”, uma sátira no qual o Professor Pangloss, uma paródia de Leibniz, um dos maiores pensadores da história, fazia papel de idiota. Voltaire teria se desencantado com o otimismo de Leibniz, que com sua teoria das mônadas tentava demonstrar que aquele seria o melhor dos mundos, consideradas as restrições da época.

Voltaire estava errado. O melhor dos mundos é hoje. A maior parte da população mundial vive em países de renda média, em apenas 20 anos a pobreza caiu à metade, 80% têm acesso à eletricidade, mulheres passam nove anos na escola e o número de mortes em desastres naturais é metade do que há cem anos, mesmo a população mundial sendo muito maior hoje.

Corretamente, Darcy Ribeiro dizia que todo o progresso da história da humanidade se resume a processos civilizatórios e avanços tecnológicos. Claro que, se elegermos um energúmeno em outubro, vamos adiar nossa evolução. Mas nada nos impede de construir um mundo ainda melhor amanhã.

*Economista, é professor da New York University Shangai, na China, e da Fundação Dom Cabral, no Brasil.

*Publicado na Folha de S.Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>