20:09ZÉ DA SILVA

Da minha ilha mandei mensagens em garrafas pelos oceanos, rios, pelo ar, pelas nuvens. O coração começou a apertar de uma forma sufocante – e eu não sabia porquê. Escrevi como se estivesse psicografando. Não sei o que escrevi. À medida que arremessava os vasilhames transparentes, eles tomavam rumos distintos e sumiam. Só depois de muitos anos, muitas tempestades, dias lindos, terremotos, guerra, paz, começaram a chegar as respostas. Vinham em intervalos regulares, como se postadas num correio sideral e muito bem organizado. Só então soube o que tinha escrito – e para quem. Falei com os que conheci na vida e estavam em universos paralelos, não importa de que forma. Todos entenderam minhas palavras escritas aos garranchos. Todos compreenderam que eram declarações de amor. Todos também se declararam. Então fui dormir sossegado na minha cama de hospital. Então sonhei com todos  aqueles anjos que fizeram e fazem parte da minha existência.

Uma ideia sobre “ZÉ DA SILVA

  1. Sergio Silvestre

    Pois é,a vida inteira pensei que a terceira guerra mundial seria de pobres contra ricos,mas hoje não tenho duvidas que vai ser dos homens contra as mulheres para ver quem pari melhor um filho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>