7:24BALA PERDIDA

Laurinha e a sinceridade inocente, brutal das crianças: “Vô,  você tem umas coisinhas pretas no nariz?” O avô, que só olha o nariz ao fazer a barba – portanto não olha o nariz –, foi ao espelho, lupa na mão. Eram cravos, gordura dos poros, que com o tempo fica escura, a “coisinha preta”. Solução, limpeza de pele, sugeriu a mulher (só agora, anos sem olhar para o nariz do marido).

Limpeza de pele, trabalho especializado: o cliente deita na maca, a esteticista despeja-lhe camadas sucessivas de cremes limpantes, desengordurantes, esfoliantes, melecas de cheiros estranhos. Mais dez minutos sob vapor para dilatar os poros e vinte na tortura da pistola de pressão que dispara e aspira os cravos. Rosto limpo, inchado e vermelho como tomate.

Uma vez e nunca mais. Nem Laurinha comanda o repeteco, o nariz que morra carijó. Não fossem os tiros da pistola, o avô ainda sofreu com o bafo da esteticista, a inevitável mescla de alho e cebola disseminada nos bufês a quilo. Na saída, estacionamento do salão, o pneu arriado – bala perdida da pistola anticravos? (Rogério Distéfano)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>