15:45Com 6 meses, governo Temer já parece velho

por Fabio Zanini

Faça um teste, leitor: tente explicar em uma frase o que são pedaladas fiscais.

Agora, repita o exercício: resuma em poucas palavras o que envolve Michel Temer na controvérsia em torno do prédio embargado pelo Iphan. É bem mais fácil: o presidente interferiu numa operação para liberar um empreendimento imobiliário privado que atende aos interesses de seu braço-direito, Geddel Vieira Lima.

A simplicidade do que está acontecendo é o que há de tão nocivo para Temer. Os indícios de uma conduta no mínimo bastante inapropriada abundam e são de fácil compreensão para qualquer um.

O governo acaba de completar seis meses e já parece velho. A estratégia de conquistar legitimidade popular, com a retomada da economia e a estabilização política, rapidamente naufraga para um presidente que não tem a chancela do voto.

O escândalo do La Vue Ladeira da Barra fragiliza um governo que tem de deixar seu ambicioso programa de reformas em stand by para estancar uma crise inesperada.

Não é o único problema nesse front. Em poucas semanas, o país passará por um choque de instabilidade com a monstruosa delação premiada da Odebrecht.

Na Câmara, a manobra do presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) para se reeleger em fevereiro, chancelada pelo Planalto apesar da vedação expressa em lei, arrisca-se a quebrar uma base aliada até aqui dada como inexpugnável. Temer, presidente da Casa três vezes, parece ter se esquecido que poucas coisas têm tanto potencial para desarrumar politicamente um governo quanto uma disputa descontrolada pelo comando da Câmara. É só perguntar a Lula sobre Severino Cavalcanti.

A economia, tábua de salvação deste governo desde seu início, não colabora. A retomada não veio, contrariando prognósticos de que uma equipe econômica respeitada bastaria para ressuscitar o PIB. A previsão de crescimento de 2017 acaba de ser rebaixada para modesto 1%. O desemprego não cederá antes do segundo semestre do ano que vem, na melhor das hipóteses.

Temer, subitamente, vê sua credibilidade desvalorizada pela desastrada intervenção num assunto paroquial em Salvador. Ao tentar manter Geddel na equipe, passou o recibo de que não entende o que mudou no país desde a glorificação da Lava Jato. Que dê apoio tácito a uma articulação de seus aliados no Congresso para anistiar caixa dois só agrava a percepção de descompasso com a realidade. Projetos ambiciosos como aprovar uma reforma da Previdência parecem, à luz de hoje, mais um pedaço desse delírio.

Se há uma lição a ser tirada da queda de Dilma Rousseff é que crise política e marasmo econômico são mortais quando vêm juntos. Escândalos em série, inabilidade política e o mau humor da população fazem lembrar os tristes estertores do mandato da petista. Um impeachment depois, nada de substancial parece ter mudado no comando do país.

*Publicado na Folha de S.Paulo

3 ideias sobre “Com 6 meses, governo Temer já parece velho

  1. Zé Mané

    Infelizmente depois de tantos meses de sofrimentos angústias a coisa parece não dar mostras de melhoras. Trocamos uma incompetente por um palerma, um cara que não aproveitou o tempo de reserva para se preparar para um dia virar titular. Esta anomia que marca o governo do Temer é espantosa, o cara não sabe o que quer e nem para onde deve ir. E nós no meio de tudo isto o que fazemos? Alguns rezam, outros choram e a maioria fica assim como eu, indignada com tamanha pasmaceira.

  2. Jorge Armado

    Resmungos da esquerda caviar. Temer é honesto e competente. Está cercado de gente honesta e proba, como Aécio Neves, Aloysio Nunes Ferreira, Ronaldo Caiado, Romer Jucá, Zé Serra. São verdadeiros vigilantes dos mais altos padrões morais. Com eles o Brasil está no rimo certo. O melhor está por vir, como sabiamente anunciou o maior governador que o Paraná já teve.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>