17:29Enquanto isso, na Previdência…

… só em 2015 menos de 1 milhão de aposentados e pensionistas do setor público geraram deficit de mais de R$ 70 bilhões. No privado, o deficit foi de R$ 86 bilhões, mas para 24 milhões de aposentados. 

Do artigo de Fernando Canzian, na FSP

Temer parece convencido de que assumiu com um golpe

Pelo modo como age, o presidente Michel Temer até parece ter sido convencido pela tal “narrativa do golpe” que o acusou de ilegítimo para substituir Dilma Rousseff.

Com visível perda de ímpeto, seu governo tenta promover a maior mudança constitucional desde 1988 com um esclarecimento incompleto e envergonhado à população do que está em jogo na PEC do teto e na reforma da Previdência.

Sem seu empenho e protagonismo, e em meio à operação para anistiar o caixa dois no Congresso, Temer aumenta a suspeita de que o maior objetivo de seu governo era mesmo “estancar a sangria” da Lava Jato.

Enquanto Lula convida seu colega uruguaio José Mujica e Chico Buarque para manifestação contra as reformas na av. Paulista, Temer pediu na terça (22) que empresários do chamado Conselhão defendam as mudanças. Como se empresário fosse popular e tivesse capacidade de mobilização.

Ao deixar a discussão para as redes sociais, o presidente só ganha adversários. A maioria instrumentalizada por aqueles que deveriam perder privilégios, sobretudo os representados pelas centrais de servidores.

Temer tomou posse definitiva no final de agosto e nos encaminhamos para o fim de novembro. Em quase três meses, nem o presidente nem nenhum de seus ministros tiveram a coragem e a delicadeza de explicar abertamente ao Brasil o que está em jogo.

Seja em um pronunciamento na TV ou por meio de campanhas didáticas sobre a necessidade urgente e inescapável de tais medidas.

Se está com medo de panelas, Temer tem um ministro neutro como Henrique Meirelles (Fazenda) apto a explicar a gravidade do momento. O Rio e o Rio Grande do Sul quebrados são eloquentes para escancarar o risco de não fazer nada.

A próxima batalha, a da Previdência, também oferece muita munição ao governo. Basta lembrar que só em 2015 menos de 1 milhão de aposentados e pensionistas do setor público geraram deficit de mais de R$ 70 bilhões. No privado, o deficit foi de R$ 86 bilhões, mas para 24 milhões de aposentados.

Cheio de trejeitos com as mãos, Temer se apequena ao evitar sujá-las minimamente em uma causa legítima depois do que o país passou para que ele chegasse onde está.

Uma ideia sobre “Enquanto isso, na Previdência…

  1. zangado

    É preciso olhar com cautela e discriminação essas estatísticas. Hoje e de há muito tempo as ditas “carreiras de estado” (magistrados, promotores, delegados, procuradores, auditores fiscais, oficialato da policia, conselheiros de contas, etc) é as que são mais regiamente pagas pelo Estado no âmbito ativo e, de consequência, da inatividade. A maioria dos servidores públicos tem remuneração nada extraordinária, nem ganham auxílios e benesses de toda espécie. E deles, inclusive, há magistral carência nos órgãos públicos. A calamidade pública nesse setor é de gestão administrativa e pública. existe alguma dúvida que que nossos governantes e sua coorte de secretários, assessores e comissionados tem sido da pior espécie nestes últimos anos ? Desde o governo Jayme Canet (que reorganizou a administração pública) todos os que lhe sucederam iniciaram a derrocada que vemos hoje.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>