15:54Jayme Canet Junior, adeus

O ex-governador Jayme Canet Junior morreu há cerca de meia hora. Ele estava hospitalizado há algum tempo. O Governo do Paraná vai decretar luto oficial por três dias. As bandeiras do Palácio  Iguaçu já estão a meio pau. O corpo será velado nesta quinta-feira (1º de setembro), a partir das 8 horas, no Palácio Iguaçu. O enterro será às 16 horas, no Cemitério Municipal de Curitiba. 

Da Casa Civil do Governo do Paraná:

Jayme Canet Júnior, nasceu em Ourinhos, Estado de São Paulo, dia 19 de Janeiro de 1925, filho de Jayme Canet e Anita Lopes Canet. Fez seus primeiros estudos no Grupo Escolar 19 de Dezembro, em Curitiba, e no Colégio Belmiro Cesar. O pré-universitário no antigo Colégio Paranaense. Ingressou no curso superior na Escola de Engenharia, mas não concluiu a carreira universitária, optando pela atividade no comércio e agricultura.

Prosperou nessa área, tendo representado o Paraná na Junta Administrativa do Instituto Brasileiro do Café. 

Engajou-se efetivamente na política, na campanha eleitoral de 1960, ao apoiar e coordenar a campanha do Governador Ney Braga.

Fez o mesmo na sucessão de Ney, ao exercer papel preponderante ao movimento político que levou Paulo Pimentel ao Palácio Iguaçu.

Ocupou importantes cargos na administração pública: presidente da empresa Café do Paraná, do Banco do Estado do Paraná e vice-governador no período de 1973-1975. Eleito governador, pela Assembléia Legislativa a 03 de outubro de 1974, tomou posse a 15 de março do ano seguinte. Ao empossar-se, declarou: “Temos profunda consciência do pesado encargo que representa governar quase dez milhões de paranaenses, em um momento em que o Estado deixa condição secular de essencialmente agrícola e se transforma em predominantemente agro-industrial”. 

Cafeicultor e pecuarista, e com grande experiência em administração gerencial, realizou um governo dinâmico e progressista. Contou com o clima de Brasília inteiramente favorável ao Paraná, numa fase de grande influência das lideranças paranaenses na administração federal. Tal apoio logístico, político e administrativo, muito lhe valeu na consecução dos altos objetivos a que se propôs. Durante seu período de governo o Paraná deu enorme salto, em todos os setores, experimentando notável crescimento econômico. A agricultura modernizou-se, com a mecanização agrícola e produção de 12 milhões de toneladas de grãos. 

Entrou numa fase de acentuada pesquisa tecnológica com o IAPAR e outros organismos técnico-científicos. No campo da energia elétrica, a rede de transmissão e distribuição assinalou significativa expansão. De 11.500 quilômetros de linhas, passou para 20.000 quilômetros. A eletrificação rural alcançou 4.350 quilômetros de extensão.

Desenvolveram-se programas de saneamento, combate à erosão e vacinação em massa. As unidades sanitárias atingiram índices expressivos na assistência à população do interior. O Instituto de Assistência ao Menor remodelou os métodos de atenção aos problemas do menor, mediante duas linhas de ação: a terapêutica e a preventiva. Os serviços de fornecimento de água da Sanepar atingiram 242 sedes municipais e 27 distritos. O consumo industrial de energia elétrica aumentou em 86%. A Telepar espalhou suas redes e linhas de microondas de forma a atender 415 localidades, inclusive na zona rural, DDD em 139 cidades. A capacidade de armazenamento cresceu de 180 toneladas para 440 durante sua gestão governamental.

O impressionante crescimento demográfico obrigou o governo a estabelecer planejamentos adequados. O desenvolvimento econômico teve como complemento a promoção do homem e a distribuição dos frutos do enriquecimento da sociedade. Houve nesses quatro anos acréscimo superior a 50% na oferta de oportunidades educacionais. 

Foi, todavia, no setor rodoviário que esse governo deixou as marcas da sua operosidade. Foram pavimentados 4.119 quilômetros de rodovias paranaenses, facilitando os meios de transporte e comunicação entre todas as regiões-econômicas do Estado. Grandes projetos sociais foram postos em execução. Na área penitenciária introduziram-se métodos modernos de reintegração do egresso. Criaram-se vários programas pioneiros, entre os quais o “Programa Themis”, “Instituto de Ação Social Laertes Munhoz”, Patronatos e outras inovações. Fez-se a reforma administrativa, enxugando a estrutura burocrática e agilizando os meios de administrar com racionalidade e eficiência. Foi realmente um extraordinário período de progresso social e prosperidade econômica.

Após concluir seu governo, com as modificações políticas que se operaram no país, Jayme Canet Junior formou liderança própria. Fundou o Partido Popular, depois absorvido pelo PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro). Como reconhecimento pelo apoio que assegurou à Educação, foi-lhe concedido o título de “Doutor Honoris Causa” pela Universidade Federal do Paraná.

4 ideias sobre “Jayme Canet Junior, adeus

  1. ÊEEIIITAAAA!!!!

    Esse foi o MELHOR GOVERNADOR que o Paraná já teve e tenho orgulho de dizer que se o Estado é o que é hoje, se deve a esse homem. Tenho muito orgulho de ter trabalhado em seu governo, porque depois foi um crescendo de decepções . Pena que homens como esse já não se acham. Parabéns por sua vida!

  2. Tico

    Grande governo! uma equipe fantástica. Belmiro Castor, Arnaldo Busato, , Tulio Vargas, Borsari Neto, entre outros.
    Equipe similar, nenhum governo teve.

  3. CURITIBANO ROXO

    ÊEEIIITAAAA!!!! você roubou meu pensamento e minhas palavras….de fato Jaime Canet foi sem igual.
    The best !!!!
    It was the best and no other surpassed .

  4. Mito

    Bento Munhoz da Rocha, Ney Braga, Jayme Canet, José Richa…
    Se tivéssemos na política do Paraná hoje um só homem ou mulher com um décimo das virtudes desses aí, não estaríamos ouvindo esses requiões, gleisis et caterva nos envenrgonhando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>