18:55PARA NÃO ESQUECER

Nunca é tarde. Reportagem do Paraná TV Segunda Edição mostra vídeo feito no gabinete do então deputado Valdir Pugliesi (PMDB) onde ele recebe envelopes com nomes de funcionários. Segundo a denúncia, seriam devoluções de parte dos salários pagos aos servidores. Confiram:

http://g1.globo.com/pr/parana/paranatv-2edicao/videos/t/edicoes/v/video-mostra-ex-deputado-recebendo-de-funcionario-envelopes-que-teriam-dinheiro/5231759/

 

MP investiga ex-deputado por receber parte de salários de seus funcionários

Vídeo mostra Waldyr Pugliesi, ex-deputado do PR, recebendo envelopes.
Ele obrigava servidores a entregar parte do que recebiam, diz ex-servidor.

Um vídeo investigado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) mostra o ex-deputado estadual Waldyr Pugliesi recebendo envelopes de um funcionário no gabinete dele, na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), em 2009.

De acordo com o agora ex-funcionário, Elielton Francis Maia, os envelopes tinham parte do salário dos servidores, que eram, por obrigação, devolvidas ao ex-deputado. A investigação só veio à tona agora.

Ao MP, Maia disse que o vídeo é a prova de um crime que era cometido, durante sete anos, dentro do gabinete do então deputado do PMDB. O ex-parlamentar é mostrado enquanto lê os nomes nos envelopes – conforme o ex-assessor, lá estavam parte dos salários de funcionários do gabinete. Após ler os nomes, Pugliesi conclui: “O total deu R$ 9.988″.

“São devoluções que eram feitas dos funcionários da Assembleia, lotados no gabinete do ex-deputado estadual Waldyr Pugliesi. Quatro funcionários que faziam a devolução de parte dos seus salários para o ex-deputado. Segundo o Elielton, quem fazia essa exigência era o próprio ex-deputado, durante todo esse período. Era uma praxe, tanto dele, quanto dos demais funcionários ter que fazer essa devolução” explica o advogado do ex-servidor.

Pugliesi já foi prefeito de Arapongas, no norte do estado, deputado estadual e deputado federal. Atualmente, está sem mandato. No entanto, até dois meses atrás, em junho, era assessor comissionado da Alep, com salário mensal de R$ 11.765.

Maia foi demitido do gabinete do ex-deputado porque foi condenado, em 2013, a seis anos de prisão por integrar uma quadrilha que contrabandeava cigarros do Paraguai. Ele está recorrendo em liberdade. Foi depois de ser dispensado que ele resolveu entrar na Justiça do Trabalho para recuperar parte dos salários que disse ter repassado ao ex-deputado.

A ação trabalhista foi arquivada, mas o advogado de Elielton vai cobrar a suposta dívida na Justiça comum. O valor da ação, solicitada pela defesa, é de R$ 500 mil.

O ex-deputado foi procurado pela reportagem, mas disse que desconhece a acusação e não quis gravar entrevista.

3 ideias sobre “PARA NÃO ESQUECER

  1. Zé Povinho

    Este sim é um Golpe, mas é mais velho do que andar para frente, quem deste bando de calhordas que já não se beneficiou do salário dos empregados comissionados postos lá com este fim, que atire a primeira pedra? Ou direi melhor, a moeda, já que estamos tratando de dinheiro.

  2. Aristides Mansur

    Nada vai acontecer.
    Há anos atrás a própria RPC mostrou funcionários do ex vereador Algaci Túlio devolvendo dinheiro para o então vereador e até hoje nada foi apurado.
    Dizem nos corredores do poder no Centro Cívico de que o GAECO e o Ministério Público Estadual fazem parte do braço político do PMDB e do PT aqui no Paraná.

  3. Padrão Paraná

    A denúncia estava há 4 anos na mão do promotor e com vídeo.
    Entregue pela PF que prendeu o filmador por contrabando de cigarros com oficiais da PM.
    Sei não este MP…
    Sei não.
    Quer prescrever de tanto trabalhar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>