15:09Fim de uma era

Da coluna de Carlos Brickmann

O PT inteiro, aliás, corre risco de vida. Entra enfraquecido nas eleições municipais, com apenas um candidato viável numa capital (João Paulo, Recife), mesmo assim num duelo difícil. E talvez nem entre: o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Gilmar Mendes, abriu processo de fechamento do partido, com base nas descobertas da Lava Jato de uso de recursos públicos nas campanhas. Comprovado o uso de dinheiro irregular, o PT fica proibido de disputar eleições.

Detalhe curioso: Gilmar Mendes tinha mandado abrir o processo há onze meses. E não é que toda a papelada sumiu do TSE, obrigando-o a remontar tudo, agora que preside o tribunal? O presidente do TSE na época, ministro Dias Toffoli, no meio de toda essa confusão política, com toda a certeza nem tinha percebido o sumiço.

Sai e entra

O problema de Gilmar Mendes é que fechar o PT pode ser fácil; mas que fazer dos milhões de petistas, de Lula, dos Guerreiros do Povo Brasileiro que, tão logo deixem suas acomodações em Curitiba, vão voltar a fazer política? Fechado o PT, surgirá um novo partido para abrigá-los; ou assumirão o comando de alguma legenda existente. Sumir é que não vão.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>