11:54Entre cangurus e prefeitos

por Juca Kfouri

O provérbio é português e o compositor e humorista Gordurinha acrescentou que “baiano burro garanto que nasce morto”.

Eduardo Paes, o alcaide do Rio, não é compositor nem humorista.

Mas já ficou nacionalmente célebre por falar antes de acionar os neurônios, de tão “ishperto” que julga ser. Maricá e os cangurus australianos estão aí para provar.

abertura da Vila Olímpica nas condições em que se deu demonstra o grau de improvisação de seus responsáveis.

Basta dizer que o autor da primeira derrota da organização dos Jogos foi também o artífice, segundo depuseram os envolvidos, do primeiro escândalo da Rio-16, quando os arquivos da Olimpíada de Londres foram furtados e copiados a mando dele, de Mario Cilenti, o argentino que caiu nas graças deCarlos Nuzman, presidente do Comitê Olímpico do Brasil e do comitê organizador –situação inédita em mais de 100 anos das Olimpíadas modernas.

Pau que nasce torto…

Afastado agora do posto de chefe da Cidade Olímpica, é risível ouvir Nuzman dizer que não interessa buscar culpados, mas achar as soluções.

Cilenti jamais deveria ter ficado em qualquer cargo após o escândalo que puniu só os peixinhos, os que cumpriam ordens, como habitual.

Depois de passar uma semana para aprofundar o complexo de vira-latas em Estocolmo, a volta ao patropi é desanimadora.

Ver de lá a crônica de uma bagunça anunciada porque organizada pelos mesmos que fracassaram no Pan-2007 não chega a surpreender. Pau que nasce torto…

Mas ler, nesta Folha, em artigo do diretor de comunicação do CoRio-16, que “os melhores velejadores do mundo, pela honra de navegar sob os olhos do Cristo, de braços abertos sobre a Guanabara, aceitam conviver com águas que poderiam estar bem mais limpas” é de indignar.

Numa só sentença há duas inverdades espetaculares: que os “velejadores aceitam” e que as águas poderiam estar “bem mais limpas”.

De fato, a águas estão é imundas, e não sobra alternativa aos competidores.

Resta apenas torcer para que não tenhamos mais motivos para nos envergonhar.

Porque, caso contrário, a síndrome da cadela no cio virará epidemia e tomará conta dos desorganizadores da Olimpíada e de parte da imprensa ocupada em ocultar ou minimizar as barbaridades, com gracinhas ou mentiras.

Sem a menor intenção de comparar a Suécia com o Brasil, bate uma profunda tristeza ao simples olhar as águas de lá e as de cá. Águas e métodos.

Por que raios nossas empreiteiras, além de serem parceiras de tanta roubalheira, são incapazes de entregar suas grandes obras a tempo e em condições aceitáveis? Roubam e nem fazem?!

É de se pensar que quando tudo acabar, e reitere-se o desejo de que sem nenhuma morte de atleta, sobre tempo para uma Operação Medalha de Lata, já que da Copa do Mundo a Lava Jato se ocupa.

Porque parece claro que, com tanto pau que nasceu torto, tem muito cartola, e político brasileiro, que se julga tão esperto como o baiano burro que nasce morto.

Não se esqueça que grande parte da Rio-16 é feita com o seu, o meu, o nosso sofrido dinheirinho.

Que, somados, valem um dinheirão.

*Publicado na Folha de S.Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>