11:39Meio bom é igual a meio ruim

A notícia no Uol sobre recente pesquisa Datafolha: “Metade dos brasileiros prefere Temer a Dilma”. Na primeira leitura faz total sentido: Dilma é presidente efetiva, afastada pelo impeachment; Temer é vice, interino na presidência enquanto corre o impeachment. Portanto, pesquisa e notícia traduzem questão política, qual seja se o vice-presidente se qualifica para substituir a presidente. Dito de outro modo a presidente tem sua base de legitimidade roída pelo impeachment e pelo desempenho do vice. Mas isso é subtexto, mensagem implícita.

Subtexto é coisa perigosa, como aqui, quando a apresentação do resultado favorece o vice-presidente ao afirmar que metade dos brasileiros prefere Michel Temer. Um viés tendencioso, pois a outra metade prefere Dilma. Pelo rigor, a chamada deveria transmitir neutralidade: ‘Dilma e Temer empatam na preferência dos brasileiros”. Se a imprensa sofre com a urgência da notícia e pelos interesses que rondam o noticiário, a imprescindível objetividade desaparece quando o leitor é atraído pela manchete que induz conclusão diferente dos números frios da pesquisa.

(ROGÉRIO DISTÉFANO)

Uma ideia sobre “Meio bom é igual a meio ruim

  1. Zé Povinho

    Então precisamos que alguém desempate, quem será esta pessoa? Alguém aí se habilita?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>