22:48Gelo

Do blog Cabeça de Pedra

O retrato da minha alma aparece por inteiro nos dias de geada forte. Eu não sabia disso porque na minha terra não tem disso não. No dia em que a temperatura baixar dos dez graus, morre toda a população da região. Quando desembarquei no sul, que não é tão maravilha, fui morar em casa de madeira que parecia coisa de filme. Tinha um gramado enorme na frente e um pomar atrás. Diziam que o bairro era nobre. Mas quando o inverno chegou… Dentro da casa, marrom com detalhes em branco, fazia mais frio que fora. Acostumei. Foi ali que um dia me descobri no tanque. A água acumulada ficou com uma fina camada de gelo durante a madrugada. Coloquei o dedo e ele se desintegrou. Aquilo era – e é, meu retrato interior. Daí a preocupação em me proteger o máximo possível, com medo de que alguém aponte o dedo, mesmo sem cutucar qualquer ferida – e eu logo desapareça pelo buraco da insegurança. 

Uma ideia sobre “Gelo

  1. sergio silvestre

    Lá em Alagoas você era um foguinho,aqui no sul virou um “SORVETÃO”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>