17:36A vitória do terrorismo

por João Pereira Coutinho

Semanas atrás, os jornais noticiaram que o autoproclamado “Estado Islâmico” tinha executado 200 crianças sírias. A notícia revelou-se duvidosa —terão sido 200 soldados sírios, e não crianças— mas, para o caso, tanto faz.

Quando a notícia surgiu nos jornais e nas TVs —200 crianças executadas— o Ocidente prestou dois minutos de atenção, provavelmente lamentou a barbárie e depois seguiu em frente com alívio. Aquela selvageria era um fenómeno distante. E a distância era a certeza confortável de que a Europa (e o Ocidente) vive num planeta diferente.

Não sou exceção. E, a propósito da (falsa) sensação de segurança, recordo uma conversa com uma amiga israelense, anos atrás.

Dizia-me ela, em plena “segunda intifada”, que o mais dramático não eram os ataques suicidas em restaurantes ou cinemas de Tel Aviv. Isso já fazia parte da rotina diária de qualquer adulto.

Só uma sombra a angustiava verdadeiramente: ver os filhos a sair de casa de manhã para irem à escola e não saber se eles retornariam à noite.

A confissão provocou-me um arrepio pela espinha abaixo, mas s sensação de alívio foi a mesma: ainda bem que a Europa não sabe o que isso é.

Sim, houve atentados em Madrí. Sim, houve atentados em Londres. Mas, aqui entre nós, foram atentados únicos, e não parte de um processo recorrente.

Pois bem: os massacres de 13 de novembro em Paris terminaram com a fantasia dos “dois planetas”. Israel está entre nós e é perfeitamente legítimo que um parisiense, ao despedir-se dos filhos pela manhã, pergunte interiormente se os voltará a ver.

O terrorismo deixou de ser um ato isolado, ou seja, fora da realidade. Passou a fazer parte da realidade, como um vírus descentralizado e imprevisível que paira agora sobre a cabeça de qualquer cidadão com uma vida “normal”.

Perante esta nova página na história da Europa, o que esperar?

Pessoalmente, estou um pouco cansado, para não dizer enojado, com o cortejo repetido de clichês: as declarações solidárias dos chefes de Estado —os mesmos que deixaram o “Estado” Islâmico crescer e multiplicar-se. E as afirmações piedosas de líderes muçulmanos que lamentam as atrocidades.

Por uma única vez, gostaria que o Ocidente poupasse nas palavras e reduzisse a pó uma ameaça que está perfeitamente identificada (e territorialmente localizada) nos confins da Síria.

E gostaria ainda que os líderes das comunidades muçulmanas não apenas condenassem os atos, mas começassem a mostrar trabalho. De que forma?

Denunciando às autoridades os jovens “problemáticos” que dão sinais de fanatismo.

Se nada disso acontecer, Paris será Londres; Londres será Roma; Roma será Madrid; Madrid será Lisboa.

E as comunidades muçulmanas que vivem pacificamente na Europa serão as primeiras vítimas daqueles que se proclamam como seus “irmãos de fé”. Como?

Levando os eleitores europeus a premiarem governos que farão da segurança um mecanismo de repressão e exclusão de tudo aquilo que cheire a “diferente”.

Essa, aliás, seria a principal vitória dos jiadistas: deixar que o pluralismo ocidental que eles tanto abominam fosse destruído pelos próprios ocidentais.

*Publicado na Folha de S.Paulo

2 ideias sobre “A vitória do terrorismo

  1. Sergio Silvestre

    O mundo ocidental se vale hoje de bombardeios técnicos e com alta precisão,segundo eles mas as bombas caem em todos os lugares e e os alvos as vezes são inocentes.
    Quem fez crescer o extremismo foi os EUA E israel,eles fizeram com famílias reduzidas a pó,e algum menino da época que perderam tudo se voltaram contra seus sicários.
    Ninguem vira terrorista por acaso ou é mercenário do terror ou é um insurgente para a vingança e me parece que os Arabes não esquecem.

  2. Clint Eastwood

    É impressionante o cinismo das monarquias árabes, elas financiam tudo quanto é grupo terrorista espalhado pelo mundo, mas porque não recebem estes milhões de árabes, sírios, iraquianos, afegãos e africanos todos professando a mesma fé? A identidade cultural entre eles é grande, a começar pela mesma fé que professam, ou pelo menos dizem professar. Mas estas monarquias sabem com quem estão lidando, é gato em saco, e quem é que gosta de lidar com gato em saco? Só nós ocidentais, trouxas e metidos a politicamente corretos, abrindo as portas para intolerantes, assassinos e terroristas fantasiados de refugiados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>