9:33Betinho, 80

por Bernardo Mello Franco

 O corpo frágil, sustentado em pernas finas como gravetos, lhe dava um certo ar de santo. Ao mesmo tempo em que perdia a luta contra a Aids, ele liderava uma admirável campanha contra a fome que mobilizou o país nos anos 90.

O sociólogo Herbert de Souza é tema de “Betinho – A esperança equilibrista”, recém-lançado nos cinemas. Num tempo marcado pelo pessimismo, o documentário lembra como o Brasil já foi pior. Em 1993, o país tinha 32 milhões de habitantes na miséria, segundo o Ipea.

O filme também mostra que o Brasil pode ser melhor. Cerca de três milhões de voluntários se organizaram nos comitês da Ação pela Cidadania, sem cobrar nada em troca. A causa atraiu artistas que hoje só se unem para censurar livros biográficos.

Betinho era um sobrevivente. Driblou a tuberculose na infância, a hemofilia e a perseguição dos militares após o golpe de 1964. Ficou conhecido na campanha pela anistia, que acompanhou à distância. Ele era o “irmão do Henfil” da música “O bêbado e o equilibrista”, de João Bosco e Aldir Blanc, que virou hino da luta pelo retorno dos exilados.

De volta ao país, engajou-se em sucessivos movimentos: pela ética na política, pelo tratamento dos portadores de HIV e contra a fome. Insistia que a sociedade não deve esperar que o governo aja, mas tem o dever de pressioná-lo a se mexer.

A imagem de unanimidade nacional sofreu um baque em 1994, com a revelação de que Betinho aceitou doação de bicheiros para uma ONG de apoio a vítimas de Aids. Ele pediu desculpas e disse que não devia ser tratado como santo. “As pessoas acham que não cometo erros”, desabafou, em entrevista reproduzida no filme. À luz dos escândalos de hoje, a penitência parece um exagero.

O fundador da campanha contra a miséria morreu em 1997. Não viveu para ver o Brasil deixar o vergonhoso Mapa da Fome da ONU, o que só aconteceria no fim do ano passado. Nesta terça, Betinho faria 80 anos.

*Publicado na Folha de S.Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>