8:00Ou vai ou some!

Da Gazeta do Povo, em reportagem de Amanda Audi

TJ decide nesta quinta-feira sobre indícios de fraude no Tribunal de Contas do Paraná

Quando soube que agentes do Gaeco estavam revirando salas do tribunal em busca de provas, Artagão presumiu: “Eu acho que é sobre a licitação do prédio”. Ele nega qualquer participação no caso.

Tribunal de Justiça (TJ-PR) vai decidir nesta quinta-feira (21) se engaveta ou manda prosseguir a investigação sobre os indícios de fraude na licitação de R$ 36,4 milhões para o prédio anexo doTribunal de Contas (TC-PR). O relator é o juiz substituto Marcel Guimarães Rotoli de Macedo, da 2.ª Câmara Criminal – o mesmo que concedeu uma liminar, em março, suspendendo o envio da denúncia do caso à Justiça. Caso o juiz mantenha o mesmo entendimento, os fatos apurados pelo Gaeco, braço do Ministério Público (MP), não chegarão a ser analisados pelo Judiciário. E os envolvidos nem sequer responderão a processo judicial.

Na época, Macedo acatou argumento da defesa dos empresários Edenilso e Pedro Rossi, da empreiteira Sial, que venceu a licitação. Segundo os advogados, a operação teve desdobramentos motivados apenas por escutas telefônicas declaradas ilegais pela Justiça – porque foram autorizadas a partir de uma denúncia anônima.

TCE-PR: Em gravação, ex-presidente do TCE demonstra conhecimento de suposta fraude em licitação

O magistrado entendeu, na liminar, que as escutas teriam “contaminado” as demais evidências. A denúncia do MP, porém, levou em consideração somente documentos, mensagens de celular e outras gravações coletadas pelo Gaeco, e não incluiu as interceptações telefônicas.

Se houver anulação da operação, o MP ainda poderá recorrer a instâncias superiores da Justiça. Em último caso, a única saída será devolver o dinheiro coletado da suposta propina para os funcionários do TC investigados.

Em mais de um ano de investigação, o Gaeco reuniu evidências de que a Sial estaria pagando propina a funcionários do tribunal, em contrapartida por ter vencido a concorrência. Os pagamentos seriam de até R$ 2 milhões.

O ex-coordenador-geral do TC Luiz Bernardo Dias Costa foi preso em flagrante saindo da sede da empresa com uma mala com R$ 200 mil, que seria uma das parcelas da propina, segundo o Gaeco. A operação foi gravada em vídeo e divulgada pela imprensa.

Além disso, escutas telefônicas mostram que o então presidente do TC Artagão de Mattos Leãoestaria pelo menos ciente das articulações envolvendo a licitação. Quando soube que agentes do Gaeco estavam revirando salas do tribunal em busca de provas, Artagão presumiu: “Eu acho que é sobre a licitação do prédio”. Ele nega qualquer participação no caso.

Por ser conselheiro do TC, a investigação sobre Artagão segue no Superior Tribunal de Justiça(STJ). Mas não tem qualquer movimentação desde novembro de 2014. O advogado de Pedro e Edenilso Rossi, Edward de Carvalho, afirmou que não iria se manifestar sobre o caso.

 

2 ideias sobre “Ou vai ou some!

  1. Inúteis

    Desde o começo ficou claro que o Sr.Artagão estava envolvido, todo o corpo técnico do Tribunal de Contas sabe disso

  2. Luiz Afonso Miguel

    Contaminado está o nosso Poder Judiciário. É triste e constrangedor assistir esse “faz-de-conta” em nosso Estado. Os 3 poderes estão podres!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>