21:04Sem farda

Do blog Cabeça de Pedra

Tirou a farda pela última vez e deixou-a em cima da cama. Foi tomar um banho frio, colocou um calção e voltou para o quarto da casa onde morava sozinho. Olhou a roupa que o acompanhou durante boa parte da vida. Nunca mais iria usá-la. Cumpriu seu tempo da forma mais honesta e sensata possível. Não havia nenhuma marca no cabo de seu revólver que pendurou no lugar de sempre. Jamais atirou em alguém, apesar de terem atirado nele – sem acertar. Também seguiu a hierarquia, mas sem baixar a cabeça ou deixar de falar o que achava correto ou errado aos oficiais. Foi um soldado. Agora não era mais. A farda tinha o destino da doação a algum companheiro de polícia. Ele então a dobrou, colocou num saco plástico para mandar lavar no dia seguinte. Deitou, olhou o teto, agradeceu a proteção recebida durante tantos anos. Estava vivo e feliz com a missão cumprida. Também tinha a resposta certa se alguém perguntasse se não teve medo de morrer vivendo tanto tempo tão perto do perigo. “Nunca encarei a morte. Finjo que não conheço”.

Uma ideia sobre “Sem farda

  1. Pingback: Cabeça de Pedra | Solda Cáustico

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>