21:52Teorema

Do blog Cabeça de Pedra

O fuinha deixou o cabelo crescer para se parecer com John Lennon. Usava óculos de aro redondo. Mas era e tinha cara de árabe – e ajudava o pai numa loja de sapatos. Naquela turma, era rico, mas estudava num colégio público. Pão duro! Andava num carrão antigo que fazia sucesso entre as meninas. Um dia saiu com a mais linda de todas – e o vizinho de classe que a olhava e tinha medo de falar, apesar de ser correspondido, passou mais uma noite sem dormir e sofrendo. Até o dia em que uma professora falou a todos daquela classe de subúrbio de cidade grande sobre a necessidade da arte como porta para abrir os caminhos do conhecimento. Falou,  em resumo, sobre o que valia a pena, ou seja, a própria vida sem as amarras, sem as viseiras, sem o engessamento, sem o embotamento – aquilo tudo que existia desde o primeiro dia de vida. Partiu então para a aventura num cinema de arte na praça do Centro, distante uma hora e meia no ônibus sacolejante. O que viu, até hoje não esquece. Não entendeu, mas sentiu. A pancada foi tão grande que cinquenta anos depois ainda aprende com Pier Paolo Pasolini e admira a longevidade de Terence Stamp. O Teorema, não decifrou, porque as relações humanas são assim mesmo – e é isso o que o faz achar a existência tão emocionante. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>