10:10Uma lição da “Lampions League”

Terminou ontem a Copa do Nordeste. O Ceará ficou com o título ao vencer o Bahia por 2 a 1 no Castelão diante de um público pagante de 63.903 torcedores. O torneio é um sucesso e o fato de também ser chamado de Lampions League atraiu até a imprensa internacional. Recentemente a Associated Press fez um extensa reportagem sobre o torneio. Enquanto isso, no sul maravilha… Segue o texto produzido por Tales Azzoni, correspondente da AP em São Paulo, cujo título é: “Prospera a versão brasileira da Liga dos Campeões, a Lampions League”:

Equipes com grandes e fervorosas torcidas se qualificam através de campeonatos locais. Elas são divididas em grupos de quatro e o melhor avançar para a fase eliminatória. Milhares vão ao jogos, milhões assistem na televisão e o interesse segue crescendo. O sorteio para as quartas de final é transmitido ao vivo pela TV e o campeão ergue um troféu conhecido como “orelhuda”.

Liga dos Campeões? Experimente Lampions League.

Disputado no nordeste do Brasil, povoado por quase 55 milhões de habitantes, quase tantos como a soma de Chile e Argentina, a Lampions League evolui como o campeonato regional de futebol mais bem sucedido do país.

Ela tem algumas das mais altas audiências da tevê e a melhor média de público. No ano passado, a final atraiu mais de 60.000 pessoas à Arena Castelão, em Fortaleza, no maior público do Brasil à parte da Copa do Mundo. Passou até os jogos do Mundial em Fortaleza, incluindo o da Seleção.

O campeonato é oficialmente conhecido como Copa do Nordeste (Northeast Cup), mas não demorou muito para que os fãs começassem a chamá-lo de Lampions League, em referência a Lampião, um conhecido e popular herói local da década de 1920, que permanece simbólico à região. Muitos nordestinos – northeasterns – vão aos jogos vestindo camisas da “Lampions League” e chapéus típicos.

Não é coincidência que o formato da Lampions League, o marketing e o troféu sejam modelados à Liga dos Campeões da Uefa. Até o hino da Liga dos Campeões foi adaptado para a música leve de uma região conhecida por seu clima quente, belas praias e pessoas alegres.

A emissora que transmite a Copa do Nordeste no Brasil, o Esporte Interativo, também adquiriu recentemente os direitos exclusivos para a Liga dos Campeões no país.

“Estamos usando um torneio para ajudar a promover o outro”, diz o presidente da Esporte Interativo Edgar Diniz. “Nós sempre admiramos e nos inspiramos pela forma como a Liga dos Campeões foi capaz de construir sua marca. Por isso, decidimos adotar algumas das mesmas práticas.”

A copa tem crescido tanto que o clube mais popular do Brasil, o Flamengo, do Rio de Janeiro, tentou recentemente um convite junto aos organizadores. O Goiás, um clube de primeira divisão nacional localizado no Centro-Oeste, também considerou a adesão.

Entre os times tradicionais no torneio estão Bahia, Vitória, Náutico, Sport, Ceará e Fortaleza, todos com reconhecimento pelo Brasil. A intensa rivalidade entre eles acrescenta sabor, assim como o entusiasmo dos torcedores locais, conhecidos como os mais apaixonados e dedicados no país.

“Todo mundo está reconhecendo que este é um dos melhores torneios no Brasil neste momento”, diz Alexi Portela, o presidente da liga que organiza a copa. “Aqui, as equipes preferem jogar a Copa do Nordeste do que a Copa do Brasil. O impacto financeiro para esses clubes tem sido grande. O torneio tornou-se realmente significativo para cada um destes clubes.”

Como outros torneios regionais, a copa preenche os primeiros meses antes do Campeonato Brasileiro, que começa em maio e vai até dezembro. Ídolos locais, como Chicão, Magrão e Durval esperam também ganhar para suas equipes uma vaga na Copa Sul-Americana.

As Copa do Nordeste foi disputada pela primeira vez em 2001, mas foi cancelada após duas temporadas por razões políticas. Ele voltou com o novo formato em 2013.

“Nós crescemos (em público) 22% no ano passado, e esperamos crescer 30% este ano”, diz Portela. “Não há dúvida de que estamos falando sobre o mais rápido crescimento de uma competição no Brasil hoje em dia”.

2 ideias sobre “Uma lição da “Lampions League”

  1. CÉTICO

    Excelente notícia. Já que a Globo e a CBF querem que pouquíssimos clubes tenham chances reais de ganhar o campeonato brasileiro, desprezando a tradição de times centenários somente porque estão “fora do clubinho”, vamos deixem eles fazerem um octagonal do eixo Rio São Paulo e façamos Nós campeonatos que respeitem a tradição e a cultura esportiva das diversas e riquíssimas regiões brasileiras. Parabéns aos Nordestinos pela rebeldia. Quem precisa do Galvão Bueno?

  2. Professor Xavier

    Quanta ousadia destes nordestinos, não quererem se deixar pautar pela Poderosa, a dona da verdade, que determina o que devemos ver e o que não . E a quê horas. Parabéns a estes ousados nordestinos. Mas a vaidade dos donos deste nosso futebolzinho não os deixa enxergar novos horizontes, até tampa em estádio já andam pondo. É para os que estão do lado de fora não ouçam as vaias dos que estão do lado de dentro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>