15:26O novo rumo

por Janio de Freitas

Será mais do que uma simples modificação de agenda. Trocar a prevista ida à suíça Davos por uma breve estada em La Paz será uma incoerência de Dilma Rousseff.

A programação antecipava que Dilma se faria acompanhar dos ministros Joaquim Levy e Nelson Barbosa na ida a Davos, a pequena cidade que recebe o periódico piquenique suíço dos donos da riqueza mundial. De repente, informa-se que Dilma está preferindo ir à posse do reeleito Evo Morales. Ou seja, prestigiar uma prática política equivalente, nas condições bolivianas, à que a Dilma do segundo mandato repeliu para adotar as políticas e práticas bem vistas pelos convivas de Davos.

Ainda mais estranha se mostra a inversão da agenda presidencial se confrontada com as decisões de governo que compõem o portfólio ideal para uma entrada gloriosa nos salões de Davos.

Por aqui, propor aumento de impostos é mais perigoso do que charge com o profeta. São Paulo criou até o impostômetro, a indicar cada centavo saído de bolso privado para cofre público. Antes mesmo de assumir, porém, Joaquim Levy falou em aumentar imposto –e nada, nenhum editorial, nenhuma entrevista chiadora. Isso é que é confiança, saber o que esperar de alguém, e receber mesmo.

Joaquim Levy ofereceu um café da manhã a jornalistas para anunciar-lhes, entre a doçura da geleia e o suco que ajuda a descer, quem vai pagar mais imposto. Não é o sistema bancário, merecedor do título de mais lucrativo do mundo. Tão rentável que bancos estrangeiros vêm buscar aqui o lucro que lá fora virou perda. Não são os cartões de crédito, com seus juros sem nada semelhante no mundo, 258%, ou 40 vezes a inflação. Nem vai o aumento de imposto incidir sobre a especulação financeira, sobre a remessa de lucros para o exterior, ou sobre ganhos no mero jogo de Bolsa.

O aumento de imposto vai cair em cima de quem trabalha e vive do que ganha com o trabalho, para tanto registrado como se em sua pessoa existisse uma empresa. O que chamam de “pessoa jurídica”.

Para que não haja a suposição de uma incidência apenas ocasional sobre o lado mais fraco, horas depois da gentileza de Joaquim Levy o governo expeliu outra criação de sua índole: os juros da Caixa Econômica Federal vão aumentar. A Caixa tem muitas linhas de financiamento mas só uma terá os juros elevados. A de financiamento da casa própria, aquela via salvadora dos que só alcançam a sonhada casa própria com os juros da Caixa, porque essa casa é paga só com trabalho.

O novo governo Dilma, ou o governo da nova Dilma, conhece seus objetivos. Joaquim Levy é claro: “A gente não tem nenhum objetivo de fazer saco de maldades”. Se há corte de despesas, por exemplo, R$ 7 bilhões da educação, nada de gastar com sacos.

*Publicado na Folha de S.Paulo

Uma ideia sobre “O novo rumo

  1. juca

    Bem feito. O povão que votou, os que chamaram nós aqui do sul de preconceituosos de forma totalmente induzida principalmente pelo mentor da Dilma o senhor Luiz Ignácio da Silva , a que chamam de Lula, pois são esses brasileiros que também vão penar e pagar a conta dos desmandos e burrices econômicas feitas pela sua “expertise” Presidente Dilma e sus assessores, além de derrubar o crescimento do pais, derrubar o PIB, acabar com a queda da inflação fazendo ela ter nova vida e além de quebrar a principal empresa do país como a Petrobrás, mentiu ao povo na campanha dizendo que nada disso aconteceria em seu “novo e hipócrita governo” e sim se o Aécio fosse eleito principalmente com o Arminio Fraga no governo, pois ela está fazendo pior e estão sim abrindo o saco de maldades, mais uma vez embriagada com as promessas , com as falácias da campanha foi enganada e vai sim ter que pagar e muito caro essa conta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>