7:50Correntes invisíveis

por Ticiana Vasconcelos Silva

Destemidos após o pranto subjacente ao inocente raiar do dia, nos vemos nas transparências destes sons cálidos e incessantes como jóias que submergem de marés fortes e ondas que cristalizam constantes e graduais correntes de crayons ignóbeis e sutis.

Conhecemos as distâncias percorridas por nossos beijos silenciosos e nos aproximamos em jantares íntimos para simplesmente sussurrar palavras plenas de inconstâncias e de desejos misteriosos, porém físicos e táteis como a lua no céu de Vênus.

Morremos nos instantes mágicos da poesia criada por nossas fantasias e por nossas mãos cheias de imóveis singularidades.

Parimos nosso filho para dar vazão aos sentimentos profundos de duas almas solitárias e místicas, sofrendo os desatinos de uma razão feita de terra e suor.

Caminhamos sobre as areias do deserto costurado em nossas pálpebras, cansadas e maravilhadas pelo desapego aos nós feitos de areia e pó.

Ganhamos novos horizontes nas verticais linhas da imaginação que sobrevive de nossos maiores tombos e nos faz sobrevoar sobre as desconstruções das palavras que não dissemos e nos uniram.

Sozinhos, sabemos que o sol nos fez despertar daquilo que acreditamos ser vil e que agora é nossa mais soberana coragem para que atravessemos as margens de nossos navios atracados em portos solitários.

Dançamos como amantes em êxtase e desmanchamos nossos ideais para lentamente perceber o brilho que se escondia sob nossos pés.

Nos conjugamos e finalmente nos amamos sob os infiéis martírios da alma casta e doce.

Somente assim pude pressentir nossos mais noturnos brados, que nos colocaram frente aos mistérios que fingimos não existir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>