18:12Alma inundada

Do blog Cabeça de Pedra

No meio do mato do fim do mundo ele vivia. Criado como bicho, como se diz no Brasil pouco conhecido. Andou descalço até os vinte anos. A sola dos pés se transformou em casco. Nunca viu uma letra escrita. Sabia a letra falada – e era poeta. Tinha delírios, como dizia a mãe, quando desandava a conversar sobre bichos, árvores, rios, nuvens. Os olhos eram verdes. Às vezes dava vontade de chorar. Acontecia assim, do nada. Ele só sabia que sentia um aperto no meio do peito, subia para a garganta… E ele corria para um canto onde nem pai, nem mãe o viam. Depois voltava aliviado, olhava para os dois e era algo bom que o invadia, mas nem imaginava o que era. Eles um dia morreram e ele foi embora. Chegou na cidade e viu uma barraquinha de churros. Achou estranho. Notou que as pessoas comiam aquilo. Pediu um. E tudo que ele tinha na alma desapareceu na inundação do doce.

Uma ideia sobre “Alma inundada

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>