16:45Disputa no Lago de Itaipu e Rio Paraná

A Procuradoria da República no Estado do Paraná informa:

MPF/Foz do Iguaçu recorre de decisão judicial e pede elaboração de planos de fiscalização no Lago de Itaipu e Rio Paraná

Objetivo é prevenir eficientemente a prática cotidiana de crimes fronteiriços, como o tráfico de drogas e armas

O Ministério Público Federal recorreu de decisão da 1ª Vara Federal de Foz do Iguaçu que indeferiu os pedidos de antecipação de tutela para que a União fosse obrigada a elaborar planos específicos, com metas e cronograma, para efetiva fiscalização do Lago de Itaipu e Rio Paraná, na fronteira com o Paraguai, de modo a promover a segurança pública local e nacional.

Embora a decisão tenha determinado que a União, no prazo de 60 dias, aumente o efetivo da Delegacia de Polícia Marítima (Depom) no Lago de Itaipu para pelo menos 34 policiais, o MPF/Foz do Iguaçu recorreu por entender que também é urgente a elaboração dos planos específicos de fiscalização como única forma de prevenir eficientemente a prática cotidiana de crimes fronteiriços, como o tráfico de drogas e armas, pelo Rio Paraná e Lago de Itaipu. Por ali, há diversos portos clandestinos em intensa atividade criminosa organizada, contando com rede de olheiros profissionais e mesmo atiradores armados com fuzis.

Desde 2007, o MPF buscou a elaboração de tais planos, em diálogo com Polícia Federal, Receita Federal, Forças Armadas, Ministério da Justiça, entre outros órgãos, sem sucesso. O inquérito civil conclui que a atual estrutura, sobretudo a de pessoal na Depom em Foz do Iguaçu, é insuficiente para fazer à magnitude do crime na fronteira.

Para o procurador da República em Foz do Iguaçu Alexandre Collares Barbosa, “somente com os recursos locais e, sobretudo, com o pequeno efetivo, é impossível impedir de forma eficaz a passagem de bens ilícitos. Por isto, é necessário que a União elabore e execute planos específicos para a região, passando pela alocação de mais pessoal na fronteira, ou que haja formação de forças-tarefa, por exemplo, entre as Forças Armadas e o Departamento de Polícia Federal, de modo a gerar um certo efeito multiplicador positivo em todo o sistema nacional de prevenção e repressão ao crime, com reflexos diretos na redução da violência nas grandes metrópoles.”

Uma ideia sobre “Disputa no Lago de Itaipu e Rio Paraná

  1. CURITIBANO ROXO

    Nossas fronteiras só foram bem cuidadas na época do Regime Militar, a Polícia Federal controlava todas as fronteira eu fui várias vezes vistoriado quando transitava pelo oeste e sudoeste do Paraná, até faca era apreendida pela polícia. Então só temos que entender que de fato neste governo não há controle algum, entra e sai quem quiser, com o que quiser e cada vez se abriga mais e mais estrangeiros “homens” no país; pergunto: O que está para acontecer e quem são esses caras ou quais são as intenções do governo em permitir o livre acesso ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>