13:35O discurso e a defesa

Antes de ler a notícia abaixo, publicada no site da OAB/PR e referente a uma solenidade realizada na noite de ontem (04), nunca é demais lembrar que o presidente da entidade, Juliano Breda, o principal orador, é advogado de cinco dos presos pela Polícia Federal na Operação Lava Jato. Os clientes dele são da empreiteira OAS, acusada de participar do esquema de pagamento de propinas para funcionários da Petrobras. Expressionante!

Em um discurso contundente, na noite da quarta-feira, na solenidade de jubilamento dos advogados, o presidente da OAB Paraná, Juliano Breda, ressaltou a atuação da Seccional contra a corrupção e defendeu a apuração das denúncias veiculadas pela imprensa, nos escândalos nacionais. “Nós nos encontramos em uma especial situação atualmente, que reclama a atuação firme da OAB. Fomos, por provocação legítima do conselheiro federal José Lucio Glomb, a primeira Seccional do Brasil a manifestar grave preocupação com os escândalos de corrupção na Petrobras. Não tivemos receio de desagradar com nossa contundente e incisiva manifestação quem quer que fosse. A OAB Paraná não se dobra a qualquer grupo partidário, político, ideológico ou econômico. Nossa bancada federal submeteu nota duas vezes ao Conselho Federal, mas aquele colegiado preferiu inicialmente uma manifestação tímida”, frisou. 

“A OAB, os advogados, a sociedade, devem reafirmar a importância da vigilância constitucional permanente do Estado, exigindo uma radical alteração nas instituições políticas, especialmente que o Brasil enfrente de forma séria, definitiva e inadiável o fenômeno da corrupção, da improbidade, da violência e da impunidade que grassa em nossas ruas. A sociedade brasileira não tolera mais assistir com completo estarrecimento a República corroída e dominada pela incestuosa barganha política para a simples perpetração de grupos políticos no poder. Os princípios constitucionais da administração pública foram sequestrados pela ambição desmedida. A Ordem precisa lutar pelos direitos e prerrogativas dos advogados, precisa defender a liberdade que o advogado tem na atuação diária, ainda que a sua atuação desagrade autoridades e gere impopularidade pela defesa da causa, mas este é um princípio irrenunciável na figura da nossa profissão.  Mas devemos lutar também pelo aperfeiçoamento da democracia, pela dignidade do exercício da representação popular, por um poder pautado única e exclusivamente ao respeito pelo povo brasileiro”,  defendeu Breda.

9 ideias sobre “O discurso e a defesa

  1. Nathan

    A aparente contradição do discurso com a prática não tem nada de ilegal ou imoral,posto que até ao pior dos assassinos sua defesa através de advogado habilitado e constitucionalmente garantida e, de outro lado, obrigação do profissional designado/contratado.

  2. Zé Beto Autor do post

    aparente contradição? vai contar outra lorota lá na oab paraná! falar nisso, porque o medo de assinar seu papo goiaba? tá com vergonha de defender a causa?

  3. Jesuis

    Um olho na consciência outro no bolso….a propósito…o honorário que recebe é do dinheiro roubado?…então….

  4. Professor Xavier

    Minha irmã é bacharel em Direito, nunca advogou mas ela nunca se cansa de repetir o que ouviu de um professor, o advogado é aquele cara que para cada solução ele arruma um problema. E é isto que o presidente da ordem local está dizendo, acendemos uma vela para Deus, porque ele merece, mas não nos esqueçamos do diabo, sem ele ficamos sem ter o que fazer.

  5. Deputado

    O presidente da OAB do Paraná pode alegar que é legítimo, legal, ter acusados do Petrolão como seus clientes. Mas, moralmente, ele sabe que é difícil apresentar justificativas. pelo menos deveria para com este cinismo e com seus discursos hipócritas de combate à corrupção quando aceita defender corruptos e corruptores.
    Mas, cá entre nós, sendo ele da escola do PCdoB, nada se torna impossível.

  6. Renato

    Zé Beto, tá dificil.
    Se procurar direitinho, encontra alguém que vendeu a propria mãe.
    O Brasil ja era. Esqueça.
    Não dá pra confiar em mais ninguém.
    Nós somos da época em o que o Mar Morto ainda estava doente. Tinha sacanagem, mas não era descarada igual hoje.
    Putakepariu.

  7. Ary

    Na esfera criminalista advogados não medem esforços fora da moral e da ética de, na tentativa de defender o bandido, inventar coisas que detonam a vida das vítimas.
    Com certeza virão advogados em sua defesa alegando, já que juiz é deus, advogados tem carta branca para fazer atrocidades.

  8. Sergio Silvestre

    Meu caro Renato,se es do tempo que o Mar Morto estava doente e não vias nenhuma sacanagens é por que estavas cegos ou preso numa bolha.
    A sacanagem sempre esteve ai aos nossos olhos,só que as informações eram difíceis de chegar até nós.

  9. Zangado

    O legal está circunscrito no moral, este é mais amplo, portanto, quando se está atuando no campo moral, o legal somente não basta. Dá para entender?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>