20:28COBRAS

Me rodavam pelos braços

rodando até

eu não mais poder falar.

Me faziam tantas cócegas

que de tanto rir

nem mais podia soluçar.

Me lançavam para o alto

até meu corpo

deixar de existir.

Eu ria quando chorava

e chorava quando ria.

Um poço no jardim

disfarçado

me convidava em murmúrios

para eu lá me jogar

inocente.

E eu só dormia

dentro de uma caixa preta

cheia de cobras pretas.

Não me movia.

E todas as noites morria

sem mãe.

 

de Enio Mainardi em “O Moedor”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>