20:28Pólen

Meus pólens

são bilhões

descendo turbilhonados

tocados por um vento.

Nuvens de pólen

cascatas

que sobem e descem

revoluteadas

na busca da vagina-mãe.

Chegando abortadas

no asfalto molhado]em telhados cimentados

cantos cobertos

de prédios desertos.

Espermas descartados

destinos terminados

amores desligados

palavras não ouvidas

mundo infertilizado.

Mas sempre tem

um último pólen

desgarrado]

que teima em rodopiar

alado.

 

de Enio Mainardi em “O Moedor”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>