10:20No país do salário mínimo, compramos uma Ferrari

por Sergio Brandão

 

Parece que depois da Copa do Mundo, a Fifa não organiza nem mais um torneio de truco por aqui. Os melindrados se encresparam com as declarações de Blatter sobre os atrasos nas obras o torneio. Não entendo: o brasileiro não é sempre o primeiro a reconhecer e a criticar quando as coisas não andam??? Mas não tolera quando a crítica vem de fora, de um gringo, principalmente quando o assunto é futebol, não é? Somos atrasados, sim, deixamos sempre tudo para última hora, superfaturamos tudo, e alguns tentam tirar proveito da situação comprometendo o trabalho dos que tentam acertar. Até o Blater sabia disso, mas tinha um compromisso com o Brasil e nos deu a Copa para organizar. Como quem ganha salário mínimo, compramos uma Ferrari.

Mal ou bem, a Copa vai acontecer. No final de julho, alguns ainda terão na ponta do lápis o vexame e os acertos – e tudo será esquecido se a seleção de Felipão ganhar mais um título. A imprensa vai valorizar a façanha até a próxima Copa e nos socar goela abaixo como “o país mais vezes campeão no futebol” . Todos compram a ideia. Até o comércio deve aparecer com promoções de hexacamponato.

O pais terá um novo governo, referendado pelo futebol, que mais uma vez subirá a rampa do palácio, assim como fizeram tantas e tantas vezes desde antes dos governos militares. Os jogadores, mais valorizados ainda, serão mais importantes que o presidente, na foto oficial.
Como sempre aparecerá um Vampeta para quebrar o protocolo e inventar umas cambalhotas na rampa. A coragem para isso estará numa garrafa de “51” que corre clandestina dentro do avião e do ônibus que os levará até o Palácio do Planalto. No dia seguinte, o verde e amarelo amanhecem desbotados numa ressaca nacional. Jogadores e CBF mais ricos, governo eleito. A única mudança será a dor de cabeça pelo excesso da “51”, mas terá valido à pena – o Brasil é hexa.
Além do título, ainda teremos os estádios maravilhosos que podem servir de arena para os gladiadores das torcidas organizadas. Também uma conta para pagar e as Olimpíadas de 2016 para torcer – e mais uma turma para eleger. A vida segue!

Uma ideia sobre “No país do salário mínimo, compramos uma Ferrari

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>